O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 18 de Agosto de 2015

 

  1. Um contacto que não passa da porta é, no mínimo, decepcionante.

É sintoma de que uns não estarão muito motivados para abrir. E é sinal de que outros não se sentem suficientemente acolhidos para poder entrar.

 

  1. Muitas vezes, a missão parece ficar-se pela porta.

É importante bater à porta. Mas é necessário ir mais além da porta, procurando convencer a que deixem abrir mais que a porta.

 

  1. Não é a porta que impede a aproximação.

Mas, só por si, é incapaz de gerar uma verdadeira proximidade.

 

  1. Por conseguinte, não basta ir até à porta. Nem tão-pouco basta sair de porta em porta.

Não basta sair de reunião para reunião, de proposta para proposta, sem qualquer concretização.

 

  1. Frequentemente, arriscamo-nos a ficar «à porta» das pessoas, não conseguindo «entrar» nos seus problemas e anseios.

É o que acontece quando a missão é imprecisa na linguagem e hesitante nas prioridades de acção.

 

  1. A missão não passa da «porta» quando o contacto com os homens não conduz ao encontro com Deus.

A missão não passa da «porta» quando há medo de falar directamente do Evangelho de Jesus. E quando prevalece o receio de agir em nome do Jesus do Evangelho.

 

  1. Precisamos, pois, de uma pastoral que entre a fundo na vida dos homens. E que ajude a entrar a fundo na vida com Deus.

É urgente uma pastoral que nos leve a aquecer a espiritualidade e a despertar para a caridade.

 

  1. Em suma, uma «pastoral da porta» tem de incluir uma «pastoral da mão» e não pode excluir uma «pastoral da mesa».

É imperioso que apareçam «mãos» para abrir «portas» que se mantêm fechadas. E para pôr pão nas mesas que permanecem vazias: o pão da Palavra, o pão da Eucaristia, o pão para as refeições.

 

  1. É pelas nossas mãos que, hoje em dia, Cristo quer continuar a entrar em muitas vidas (cf. Lc 10, 5).

É pelas nossas mãos que Ele quer que o Seu Pão alimente (cf. 1Cor 11, 26). E que muitos pães saciem (cf. Lc 9, 13).

 

  1. Cristo quer precisar das nossas «mãos» para abrir todas as «portas» e para servir a todas as «mesas».

Enfim, Ele conta connosco para «incendiar» todos os corações (cf. Lc 24, 32)!

 

publicado por Theosfera às 10:13

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro