O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2015

 

  1. Tudo o que D. António Couto faz, diz e escreve não é apenas bom; é excelente. Não é só pertinente; é eminente.

Nos seus textos, a forma nunca pleiteia com o conteúdo. Fraternizam sempre no mesmo patamar, o da profundidade e da beleza.

 

  1. Os conteúdos são acutilantes e a forma consegue ser surpreendente e cativante.

Dos conceitos e das imagens desprende-se uma espécie de polifonia que faz da leitura um momento de harmonia.

 

  1. D. António Couto parece viver onde vivem as palavras, habitando na sua intensidade e profundeza.

Em «O Livro dos Salmos», uma vez mais o primor do esteta emparceira notavelmente com a precisão do exegeta.

 

  1. Neste caso, estamos perante uma obra que, além do habitual deleite, nos fornece preciosas doses de utilidade.

É que os Salmos são palavras habitualmente ditas, mas nem sempre devidamente compreendidas.

 

  1. D. António Couto, neste livro, oferece-nos um guião com um surpreendente filão.

Ele apresenta os Salmos como uma «casa», com átrio, pórtico, abóbada e porta.

 

  1. A porta ora abre, ora fecha, permanecendo entreaberta.

Toda a casa reluz porque está municiada com uma «hemorragia de luz».

 

  1. Este é, por conseguinte, um «livro-convite».

É um livro que nos convida a entrar no Livro e a permanecer duradouramente no Livro. É um «livro-alento» que aumenta o apetite pelo «Livro-alimento», que é a Bíblia.

 

  1. Fica, pois, uma grande vontade de ler este livro sobre os Salmos. E de, com ele, rezar mais — e melhor — os Salmos do Livro.

A Bíblia, que nos oferece os Salmos, é essencialmente um livro de oração: para todos os caminhos e para todas as horas que passamos nos caminhos.

 

  1. A Liturgia das Horas — tecida especialmente pela recitação dos Salmos — não é para ser subestimada nem despachada em breves instantes.

Como refere D. António Couto, ela é, efectivamente, «oração de todas as horas e de todas as circunstâncias».

 

  1. Ela é oração com «uma chama dentro, com um lume dentro». Ela é «pão sempre a sair do forno».

Deixemo-nos deliciar com o seu saber. E nunca desperdicemos o seu sabor!

 

publicado por Theosfera às 15:43

De Sam a 27 de Novembro de 2015 às 15:55
Bom!


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro