O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 28 de Outubro de 2018

A. Não basta ter olhos para ver

  1. Muito doloroso já é não ver. Mas mais perigoso é não ver quando se pensa que se vê. A cegueira de olhos abertos não faz menos mal que a cegueira de olhos fechados. O certo é que há tanta coisa que olhamos e não vemos. A ilusão é a pior cegueira.

Não basta ter olhos para ver até porque nem todos os olhos permitem ver. Nem todos os olhos permitem ver bem. Os olhos deste cego estavam fechados. Mas, muitas vezes, os nossos olhos podem permanecer tapados mesmo quando estão abertos.

 

  1. Neste mundo, há muita cegueira de quem tem olhos (pretensamente) abertos. Há muita cegueira por parte de quem julga que vê, embora se limite somente a olhar.

Há muita cegueira quando nos recusamos a descer até à profundidade. Há muita cegueira quando não aterramos no que se mantém escondido. Ou, melhor, não é tanto a realidade que se esconde de nós; nós é que, muitas vezes, nos escondemos da realidade.

 

B. Também na fé precisamos de óculos

 

3. Não é por falta de aviso, porém, que nos comportamos assim. Antoine de Saint-Exupéry deixou o alerta quando afirmou que «o essencial é invisível aos olhos». O que ele queria dizer é que o mais importante da vida não se capta com os olhos que temos na face. O mesmo Saint-Exupéry assinalou que «só se vê bem com o coração». Ou seja, não se vê bem apenas por fora. Só se vê bem por dentro. Só se vê bem quando conseguimos chegar dentro e aterrar na profundidade.

É por isso que, como muito bem percebeu o Papa Bento XVI, «o programa do cristão é o coração que vê». Só o coração vê onde «há necessidade de amor». E só o coração «actua em consequência».

 

  1. Olhemos, pois, para o cego do Evangelho, mas não esqueçamos nunca o «Evangelho do cego», isto é, a boa notícia realizada neste cego. Só Jesus é luz. Só Jesus faz ver. Só Jesus cura da cegueira. Afinal, este homem, antes de ver com os olhos, já via com o coração. O seu coração já estava iluminado pela luz que é Jesus. Por isso, teve a lucidez, a coragem e a humildade de pedir: «Que eu veja» (Mc 10, 51). O texto diz que «imediatamente recuperou a visão» (Mc 10, 52).

Jesus lembra-lhe que foi a fé que o salvou (cf. Mc 10, 52). Isto significa que a fé oferece-nos aqueles «óculos» que podemos colocar por cima dos nossos olhos. É pelos «ocula fidei» (óculos da fé) que conseguimos ver o invisível. Por conseguinte, Deus deixou-nos uns óculos para podermos ver, para O podermos ver: os «óculos da fé».

 

C. Fora de Jesus não há luz

 

5. Não olhemos apenas com os nossos olhos. Procuremos ver com os olhos da fé, com os olhos de Deus. Só na Sua luz vemos a luz (cf. Sal 36, 10). Só na Sua luz encontramos luz. Deus é uma luz que o Seu Filho Jesus acende em nós. É por isso que o Concílio Vaticano II proclama que «Cristo, o Verbo Encarnado, revela o homem ao homem». Assim sendo, para sabermos quem somos, temos de procurar Cristo. Só Ele desvela o que está velado (cf. Jo 8, 12).

Que fique, portanto, bem claro. Fora de Jesus, não há luz. Fora da Sua verdade é só obscuridade. Jesus é uma luz que nunca se apaga. Pelo contrário, esta é uma luz que sempre se apega. Não admira, pois, que Jesus queira que todos nós, Seus discípulos, também sejamos luz. «Vós sois a luz do mundo» (Mt 5, 14) — eis o que Ele nos diz no Sermão da Montanha. Nós somos chamados a ser a luz que traz a luz que é Jesus. A fé é todo um mistério de luz, de iluminação.

 

  1. Acontece que a nossa luz não é própria, é recebida: está em nós, mas não vem de nós. Daí que os escritores cristãos antigos gostassem de comparar a Igreja ao mistério da lua («mysterium lunae»). Tal como a luz da lua não vem da lua, também a luz da Igreja não vem da Igreja. Tal como a luz da lua vem do sol, também a luz da Igreja vem de Cristo, a verdadeira — e definitiva — luz.

Ao falar dela mesma no Concílio Vaticano II, a Igreja não diz que é luz. A luz dos povos («lumen gentium») não é a Igreja; a luz dos povos é Cristo, presente na Sua Igreja para chegar a toda a humanidade.

 

D. Não tenhamos medo de gritar

 

7. Por nós, não conseguimos nada. Sem Jesus, nada conseguiremos fazer (cf. Jo 15, 5) e nada conseguiremos ver. Sem Jesus, é só escuridão. Temos de fazer como este homem. Temos de ir ao encontro de Jesus.

Não tenhamos receio de chamar por Ele. Não tenhamos medo até de gritar por Ele. Ainda que muitos nos tentem calar, como tentaram calar o cego (cf. Mc 10, 47), gritemos por Jesus e nunca cessemos de gritar Jesus. Evangelizar também é gritar. Evangelizar é gritar Jesus. É que, se neste mundo há muita cegueira, também há nele uma persistente surdez. Não hesitemos, pois, em gritar. Gritemos Jesus com a voz. Gritemos Jesus com a alma. Gritemos Jesus com o testemunho de vida.

 

  1. É hora de fazer como este homem. Também nós temos de «dar o salto» (Mc 10, 50). Na vida, há momentos em que não basta dar mais um passo. Na vida, há momentos em que é preciso mesmo «dar o salto».

Este homem percebeu que, para continuar a ver, tinha de seguir Jesus. Nunca mais poderia largá-Lo. Nunca mais poderia afastar-se d’Ele. Foi Jesus que lhe deu a luz.

 

E. O caminho de Jesus é um caminho de luz

 

9. Aquele homem encontrou Jesus no caminho (cf. Mc 10, 46) e começou a seguir Jesus pelo caminho (cf. Mc 10, 52). É no caminho que se dá o encontro, é no caminho que se dá a mudança. Os caminhos de Jesus são os nossos caminhos para que os nossos caminhos sejam os caminhos de Jesus. Não foi Jesus quem (também) Se apresentou como o caminho (cf. Jo 14, 6)?

Não desistamos nem desanimemos. Enchamo-nos de coragem e levantemo-nos porque Jesus também chama por nós, também vem ao nosso encontro (cf. Mc 10, 49). Levemos esta palavra de ânimo a tantos que permanecem caídos. Deixemos que a Sua luz brilhe em todas as vidas.

 

  1. Não hesitemos em recorrer à «Óptica Jesus». Este homem, de nome Bartimeu, pedia esmola, mas do que ele precisava era de luz. Por isso, apelou à misericórdia de Jesus: «Tem misericórdia de mim» (Mc 10, 47). Nós podemos contar sempre com a misericórdia de Jesus. Será que Jesus pode contar sempre com a nossa disponibilidade? Aquele homem «deitou fora a capa» (Mc 10, 50), ou seja, fez um corte com a vida que levava. E nós? Que coisas estamos dispostos a deitar fora? O encontro com Jesus tem de nos conduzir a uma vida nova.

Notemos que Jesus, aparentemente, não faz o que o cego pede. O cego pede para ver (cf. Mc 10, 51) e Jesus manda-o segui-Lo (cf. Mc 10, 52). Isto quer dizer que reencontramos a luz quando nos dispomos a seguir Jesus. A luz está em Jesus. O caminho de Jesus é um caminho de luz. Para todos. Para nós também!

publicado por Theosfera às 05:07

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro