O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 11 de Março de 2014

1. Desfaçamos já um preconceito. Ou, se possível, dois.

A Quaresma não é, necessariamente, um tempo triste. E a tristeza não tem de ser sempre uma coisa negativa.

 

2. A alegria é certamente saudável. Mas nem toda a tristeza será doentia.

Uma certa tristeza tornará ainda mais valiosa a própria alegria. Era talvez por isso que Kahil Gibran achava que «aquele que nunca viu a tristeza nunca reconhecerá a alegria».

 

3. A vida é composta de tudo. A sabedoria budista preceitua: «Assim como a terra recebe com serenidade tudo o que se atira sobre ela, assim também aceitarás com serenidade tanto a alegria como a tristeza, se pretendes atingir a sabedoria».

Porventura para nosso espanto, Jaime Milheiro considera que «só poderá saborear as verdadeiras alegrias quem tiver a capacidade de se entristecer e de se percorrer em tal sentimento, sem a obrigatoriedade de lhe fugir».

 

4. Aliás, uma alegria meramente folgazã pode ser o alarme de uma existência vazia, sem vontade de mudança.

Por outro lado, uma pessoa triste não é, necessariamente, uma pessoa desalentada nem derrotada. Pode ser uma pessoa consciente, insatisfeita com o presente e à procura de mudanças para o futuro.

 

5. S. Paulo, munido de grandes doses de psicologia teologal, exaltava a «tristeza segundo Deus» (2 Cor 7, 10).

Ser visitado pela tristeza pode não ser o mesmo que ser tentado pelo desânimo. Pode significar, antes, determinação em seguir por caminhos novos.

 

6. Bento XVI entendia que «há duas espécies de tristeza: uma que perdeu a esperança, que deixou de confiar no amor e na verdade e, consequentemente, destrói o homem por dentro; mas há também a tristeza que deriva da comoção provocada pela verdade e leva o homem à conversão, à resistência contra o mal. Esta tristeza cura, porque ensina o homem a esperar e a amar de novo».

Será por isso que a Bíblia diz que a tristeza é melhor que o riso (cf. Ecle 7, 3)?

 

7. Eric Wilson defendia que «a tristeza ensina a ver a realidade».

 E foi assim que Zita Seabra notou que «se aprende muito com a tristeza».

 

8. Definitivamente, a existência não é unicolor. Respeitemos os tons polifónicos da vida.

Não recusemos, obviamente, a alegria. Mas também não fujamos da tristeza.

 

9. Afinal, muita coisa pode surgir mesmo que tudo pareça estar a cair!

 

publicado por Theosfera às 11:49

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro