O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 22 de Março de 2016

 

  1. Tudo continuava escuro. Escuro estava o tempo. Escura estava a alma.

Escura parecia estar a vida para sempre. Afinal, tudo estava consumado (cf. Jo 19, 30).

 

  1. A pedra no sepulcro era como o ponto final num texto.

Aquela pedra era o ponto final naquela vida: naquela vida que se tinha consumido e que a morte tinha consumado.

 

  1. Restava apenas o rasto. Mas até o rasto daquele corpo tinha desaparecido: «Tiraram o Senhor do túmulo»(Jo 20, 2).

A morte é, de facto, o supremo desencontro. Como reencontrar aqueles de quem a morte desencontrou? Que pode haver depois do fim?

 

  1. Só que aquela morte não era o fim. A partir daquela morte, a morte deixou de ser o fim.

É que, naquela noite, um novo dia amanhecera. E, naquela escuridão, uma nova luz se acendera.

 

  1. As trevas nada podiam contra aquela luz. E até a morte nada pôde contra aquela vida.

Tal como a pedra do sepulcro, também as evidências são derrubadas. O que estava morto, afinal, está vivo.

 

  1. Jesus ressuscitou, não revivesceu. A Ressurreição é novidade, não é regresso. É uma passagem para a frente, não é um passo atrás.

Ressurreição não é ressuscitação. Jesus não é devolvido à vida anterior, mas entra numa vida nova. Daí que ninguém O reconheça ao primeiro contacto (cf. Jo 20, 14). Jesus é o mesmo, mas está diferente.

 

  1. A Ressurreição é sobretudo transformação.

Neste sentido, compreende-se que não falte quem à Ressurreição chame «anástase» para significar precisamente a elevação de Jesus à vida plena.

 

  1. É por isso que nós não evocamos alguém que já morreu; nós celebramos alguém que continua vivo.

A Igreja, alicerçada na Páscoa, não transporta a recordação de um ausente, mas oferece-nos a permanente celebração de uma presença.

 

  1. É do lugar da morte que Jesus vem ao encontro dos vivos (cf. Jo 20, 15).

Nós não tínhamos percebido que consumado não é o mesmo que terminado. Jesus tinha consumado a missão, mas não deu por terminada a presença.

 

  1. Por conseguinte, a Páscoa é o silêncio que fala, a escuridão que brilha, a lágrima que sorri, o fim que (re)começa

Do máximo fracasso irrompe o maior triunfo. O vencido desperta como vencedor. E, uma vez mais, o inesperado vence o inevitável.

publicado por Theosfera às 10:35

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro