O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 04 de Outubro de 2014
    1. Um dos valores matriciais da convivência é o respeito.

    Deste respeito não hão-de ficar de fora o espaço sagrado e os actos sagrados. Nem será preciso invocar normas. Bastará seguir o bom senso.

     

    1. Todos sabem que a experiência religiosa é, por excelência, uma experiência de escuta.

    Daí que o ambiente no espaço sagrado deva primar pelo silêncio.

     

    1. Quem tem fé compreenderá com facilidade. E quem não tem fé também perceberá sem dificuldade.

    É por isso que se pede que, antes das celebrações e como forma de ambientação, haja silêncio na igreja, na sacristia e até à volta do templo.

     

    1. Sei que não é por mal, mas, nos últimos tempos, chega-se a uma igreja e o que avulta é o ruído.

    A vontade de conversar sobrepõe-se ao direito de meditar. Parece que se pode falar com todos menos com Deus. Parece que se ouve toda a gente, menos a voz de Deus.

     

    1. Como se isto não bastasse, já se vêem pessoas a entrar com bonés e chapéus, com fatos de praia, a beber, a comer (sobretudo gelados), a mastigar (rebuçados ou pastilhas elásticas), a atender o telemóvel ou a consultar a net.

    Isto colide frontalmente com a natureza do lugar e das celebrações que nele decorrem.

     

    1. Sobra, ainda, um problema para quem tem a missão de conduzir o povo de Deus.

    Se intervém, arrisca-se a ser incompreendido e até maltratado. Se não intervém, acaba por consentir o que não pode aprovar. Ou seja, é uma situação sempre delicada.

     

    1. Acresce que, à medida que o tempo passa, há uma tendência para transformar a excepção em regra.

    Já se agenda quase todo o tipo de actividades para as igrejas.

     

    1. Não raramente, prevalece a impressão de que a igreja é para tudo, excepto para aquilo que ela existe: rezar. Até parece que o incorrecto tem mais espaço que o correcto. E que o errado encontra maior acolhimento que o certo.

    Aliás, quem é apontado como estando errado acaba por ser quem tenta corrigir o erro.

     

    1. A Igreja é para todos, mas não é para tudo.

    Só que é complicado gerir as situações concretas e os factos que muitos dão como consumados.

     

    1. Apesar de tudo, creio não ser impossível restituir a dignidade aos lugares e a beleza às celebrações.

    Para glória de Deus. E bem-estar de todos!

publicado por Theosfera às 01:03

De Evágrio Pôntico a 4 de Outubro de 2014 às 01:40
Notável texto, Sr. Padre João !

É análise arguta do fenómeno que impera hoje em muitos templos católicos.

Muitos dos auto-apelidados "católicos-não-praticantes" (só podem ser esses, pois os católicos verdadeiros não tomarão atitudes deste jaez...) transformaram as igrejas em meros locais de convívio, sem respeito por Quem está ali presente ...

É revoltante ver a forma como essa gente desavergonhada e ignorante entra nas igrejas, tal qual estivessem a entrar num qualquer "café" ou tasca de bairro... !

Há que corrigir tais manifestações, fruto de impreparação e profunda ignorância do que é sagrado.
Sinais dos tempos, em que toda a gente se arroga o direito (?) de fazer o que lhe apetece, sem perceber que há limites para a estupidez... !


De Theosfera a 4 de Outubro de 2014 às 13:03
Muito, muito obrigado. Não está nada fácil esta situação1

De Evágrio Pôntico a 4 de Outubro de 2014 às 14:00
Sr. Padre João, parece-me que a situação só pode ser resolvida com uma atitude clara e frontal: lembremo-nos do que Jesus fez no templo ao expulsar os vendilhões.

Pois que Bispos e sacerdotes tenham a coragem de Jesus, sem contemplações. Quem não sabe respeitar Deus, nosso Senhor, não tem o direito de entrar ou permanecer nas igrejas.

As igrejas são lugares sagrados, não são tascas nem "cafés", ou "shoppings"..., nem lugares de conversa fútil.

Os católicos (sei que muitos e muitos andam incomodados com a desvergonha a que se assiste hoje nos templos) agradecem que a hierarquia e os sacerdotes tomem as medidas (ríspidas, se necessário) adequadas a pôr cobro a tal impudência e descaramento...!

De Theosfera a 4 de Outubro de 2014 às 15:37
Eu entendo. Temos de procurar combinar a determinação com a paciência. As pessoas precisam de compreensão, mas precisam, ainda mais, de verdade. E «Deus super omnia»!

De Evágrio Pôntico a 4 de Outubro de 2014 às 16:56
Com todo o respeito, Sr. Padre João, não pode haver paciência para quem não demonstra o mínimo respeito pelas coisas sagradas, e, antes, parece, por vezes, querer agredir os sentimentos dos outros...

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro