O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 21 de Julho de 2015

 

  1. A fé não existe para anestesiar, mas para despertar. Ela não é ornamento na vida, mas força para a transformação da vida.

Vazia seria uma fé soporífera ou levemente sedosa. O seu horizonte não pode ser, pois, a mera satisfação, mas a nossa permanente conversão.

 

  1. Não temos fé para fechar os olhos à vida, mas para olhar de frente para a vida.

O discurso crente não é aquele que passa por cima dos problemas, mas aquele que «aterra» totalmente nos problemas.

 

  1. Nenhum ideal de fé é compatível com uma fé que não seja real.

É bom não esquecer que a fé acontece sempre na realidade, não fora da realidade.

 

  1. Se a vida é difícil, como é que poderíamos esperar que a fé fosse fácil?

Não falta, porém, quem faça constante publicidade a uma «fé fácil».

 

  1. É o que sucede quando se apresenta a fé longe do sofrimento e distante do mistério.

No fundo, é uma fé que não encara a vida como ela se mostra nem acolhe Deus como Ele é.

 

  1. Uma fé com respostas imediatas não espelharia a vida enquanto vida. E ousaria até impedir que Deus fosse Deus.

A fé inclui, obviamente, a confiança em que tudo pode ser melhor. Mas não exclui a predisposição para aceitar as adversidades.

 

  1. Jesus ensina-nos que a Cruz não se procura, mas também não se recusa. Aos que Lhe solicitavam poder, Ele respondeu com o cálice (cf. Mt 20, 22-23).

Ou seja, quem seguir os Seus ensinamentos tem de se dispor a seguir a totalidade dos Seus passos. E aqui é preciso contar com a perseguição, a condenação e até a morte.

 

  1. São muitos os eventos que, hoje em dia, integram actos religiosos. É bom, mas não basta.

Um «Cristianismo de eventos» é claramente insuficiente. Reduz-se a momentos que se esgotam quando terminam. Não parece haver «antes» nem «depois».

 

  1. Muitas vezes, são promovidas celebrações desconectadas de qualquer preparação e desligadas de qualquer vivência.

Como há-de fermentar o compromisso?

 

  1. Urge perceber que o Evangelho não é um adorno para certas ocasiões, mas um projecto para a vida.

Os eventos ganham alma quando pré-existe — coexiste e pós-existe — uma vivência. Afinal, não será a vivência quotidiana da fé o mais belo evento de fé?

 

publicado por Theosfera às 11:12

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro