O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 08 de Novembro de 2016
  1. Jesus deixou-nos um coração humilde (cf. Mt 11, 29). E, ao mesmo tempo, legou-nos um plano ambicioso (cf. Mt 28, 19-20).

É Sua vontade que a Sua mensagem chegue a todos os sítios (cf. Mc 16, 16) e ressoe em todas as épocas (cf. Mt 28, 20).

 

  1. No fundo, Jesus quer preencher o tempo e o espaço: todo o tempo e todo o espaço.

Foi neste sentido que os cristãos se habituaram a olhar para o Domingo como o dia-modelo e para a Paróquia como o lugar de referência.

 

  1. No resto do tempo e no restante espaço, procuravam vivenciar o que celebravam ao Domingo na Paróquia.

À Eucaristia sacramental sucedia uma autêntica Eucaristia testemunhal.

 

  1. Ao fazer da igreja a sua casa, os cristãos acostumaram-se a fazer da sua casa uma igreja: a «igreja doméstica».

Curiosamente, a palavra «paróquia» — tal como a palavra «diocese» — incorpora a ideia de «casa».

 

  1. A raiz indo-europeia «weik» deu origem ao grego «oikos», que aparece em «diocese» («di-oikesis») e «paróquia» («par-oikía»).

«Diocese» significa «governo da casa» e «paróquia» tanto indica «ao lado da casa» como «casa ao lado».

 

  1. Como é sabido, foi em casas particulares que os cristãos principiaram a celebração do culto.

Mais tarde, as igrejas tornaram-se a casa central para as populações.

 

  1. Estavam, assim, lançados os gérmenes de uma evangelização integradora.

O Evangelho emergia como uma proposta totalizante: para todas as pessoas e para todos os momentos.

 

  1. O mais global (o Evangelho) foi-se consubstanciando no mais local (o ambiente de cada um) e no mais concreto (sobretudo a oração, a catequese e a caridade).

Encontramos, aqui, uma espécie de «anabase» pastoral.

 

  1. A pastoral cresce a partir da base, a partir do contacto com as pessoas.

Tal como Jesus foi ter com as pessoas onde elas estavam (cf. Mc 1, 6), é preciso — em nome de Jesus — ir ter com as pessoas onde elas se encontram.

 

  1. A esta luz, a comunhão diocesana, sem dispensar as estruturas supraparoquiais, ocorre, acima de tudo, na comunhão intraparoquial. E consolida-se através da comunhão interparoquial.

Uma vez que cada paróquia é uma realização da Igreja diocesana, então toda a acção paroquial avulta como um genuíno acontecimento diocesano. É na Paróquia que a Diocese está mais próxima das pessoas!

 

publicado por Theosfera às 10:40

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro