O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 28 de Abril de 2015
  1. O maior desafio para os cristãos é, desde sempre, o desafio da totalidade.

Jesus quer que levemos tudo a todos. Ou seja, toda a mensagem (cf. Mt 28, 20) a toda a gente (cf. Mt 28, 19).

 

 

  1. A resposta pode não vir de todos. Mas a proposta não pode deixar de chegar a todos.

A adesão pode ser parcial. Mas a oferta não pode deixar de ser total.

 

  1. Não temos faltado à obrigação de procurar chegar a todos.

Mas será que temos sabido honrar o dever de oferecer tudo?

 

  1. Onde não há totalidade, não há verdade. Uma meia-verdade não é a verdade. Três quartos de verdade continuam a não ser a verdade.

A verdade está apenas — e sempre — na totalidade. Pelo que renunciar à totalidade é o mesmo que renunciar à verdade.

 

  1. É normal que haja acentuações. E a acentuação de um aspecto acarreta, inevitavelmente, algum ofuscamento de outros aspectos. Só que uma coisa é acentuar e outra coisa, bem diferente, é excluir.

Na hora de escolher, os santos não hesitam: escolhem tudo. Assim fez Teresa de Lisieux: «Meu Deus, escolho tudo»!

 

  1. Acontece que, na era das especialidades e na cultura do fragmento, há uma tendência quase instintiva para decompor a mensagem em parcelas.

Deste modo, vão-se perdendo os liames que unem harmoniosamente todas as dimensões da fé.

 

  1. Há quem aposte na relação com Deus, mas ignore a relação com os outros.

Há quem invista na relação com os outros, mas esqueça a relação com Deus

 

  1. Há quem ponha em oposição a doutrina e a pastoral.

Há quem desvalorize a pastoral em nome da doutrina. Há quem deprecie a doutrina em prol da pastoral.

 

  1. O mal não é tanto cada um achar que está certo. O mal é sobretudo cada um decretar que os outros estão definitivamente errados.

Resultado. Os irmãos transformam-se em adversários com as intermináveis disputas entre contemplativos e activos, entre conservadores e progressistas, etc.

 

  1. Quando compreenderemos que, afinal, um só é o nosso Mestre (cf. Mt 23, 10)?

É n’Ele que está tudo o que deve ser oferecido a todos!

publicado por Theosfera às 10:39

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro