O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014
Passou Agosto, mas ficou o gosto: o gosto provocado pelo primeiro cheiro a mosto.

É na vinha onde muitas pessoas passam muito tempo.

É na vinha onde tantos gastam — e se desgastam — tanto.

É na vinha onde as energias se consomem e os rendimentos como que se encolhem.

A vinha até dá muito, mas os mercados dão pouco pelo muito que se trabalha na vinha.

Na vinha, não se trabalha só agora, mas trabalha-se também agora, sobretudo agora.

Em plena época das vindimas, sabemos bem quanto custa trabalhar muito e receber pouco.

Em plena época das vindimas, sentimos bem o peso da injustiça e o (amargo) sabor da ingratidão. Afinal, gasta-se muito todo o ano a pensar nas vindimas. E acaba-se por conseguir pouco nas vindimas para o resto do ano.

O problema não está na terra, que até é generosa. O problema parece estar em quem teima em não valorizar devidamente o que se produz na terra.

Daí que o tempo das colheitas costume baloiçar entre a alegria e a frustração.

O que se recebe nem sempre compensa o que se gastou.

Resta-me, pois, augurar uma feliz colheita e desejar uma justa recompensa por tanto trabalho.
publicado por Theosfera às 00:06

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro