O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 13 de Dezembro de 2016

 

  1. Afinal, o que é o mal?

O mal não é. O mal é o que não é. O mal é negação.

 

  1. O mal é antigo, mas não é o primeiro.

Enquanto negação, o mal supõe o que está antes e é negado depois.

 

  1. O mal existe porque existe o bem e porque há quem não suporte o bem.

O mal é, pois, uma agressão que redunda numa ausência. O problema é que se trata de uma agressão persistente e de uma ausência prolongada.

 

  1. Apesar de não ser o primeiro, o mal parece contaminar-nos por inteiro. E, embora não tenha ser, o mal dá sinais de ter um enorme poder.

Como é que uma ausência pode dominar tanto a nossa existência?

 

  1. O domínio desta «ausência de bem» (Santo Agostinho) só pode ser explicado por um transtorno: por um implacável «transtorno de ser» (Walter Kasper).

É este transtorno que leva a que o mal chegue a ser apresentado como bem (cf. Is 21, 5).

 

  1. Parafraseando Xavier Zubiri, dir-se-ia que, num mundo comandado pelo mal, até os maldosos são retratados como bondosos.

O pior que tem o mal é que a própria maldade permite-se exibir como se fosse bondade.

 

  1. Basta olhar para o que se diz, para o que se escreve e, mais vastamente, para o que se faz.

Depressa notamos que vivemos cercados por um oceano de «maledicência», «malescrevência» e «maleficência».

 

  1. E, no entanto, parece que convivemos pacificamente com isso.

Aparentemente, aceitamos — sem grandes sobressaltos — que se diga mal de alguém, que se escreva mal sobre alguém e que se faça todo o tipo de mal a alguém.

 

  1. É certo que o mal não pode ser ignorado. Se «falar mal» nunca faz bem, «falar “do” mal» pode ser necessário: para evitar o mal e para vencer o mal.

Mas, nesse caso, falemos do mal «com» os outros, sem jamais falar mal «dos» outros. Mal em cima de mal só espalha o mal. Apenas o bem sobrevive ao mal (cf. Rom 12, 21).

 

  1. O mal não é o primeiro e também não será o último.

Fomos feitos para o bem. Para bendizer, para bem-fazer e para bem viver. Já basta de maldizer, de mal fazer e de mal viver!

 

publicado por Theosfera às 10:49

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro