O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 22 de Novembro de 2016

 

 

  1. Toda a gente sabe o que é uma freguesia. Mas será que já pensamos donde provém a palavra «freguesia»?

Freguesia, termo que designa uma circunscrição civil, tem — curiosamente — uma proveniência eclesiástica.

 

  1. Como sabemos, a freguesia é a menor divisão administrativa e corresponde à subdivisão dos concelhos.

Cada freguesia é administrada por uma Junta, escolhida pelos membros de uma Assembleia eleita directamente pelos cidadãos.

 

  1. Foi precisamente há cem anos — a partir de 23 de Junho de 1916 — que a freguesia passou a designar esta estrutura civil.

Mas tal estrutura civil já estava separada do universo eclesiástico desde 1835.

 

  1. Até essa altura, «paróquia» e «freguesia» eram duas palavras que serviam para mencionar a comunidade cristã.

E, mesmo depois da separação, os limites territoriais mantiveram-se praticamente iguais.

 

  1. «Paróquia» destaca mais o território e «freguesia» assinala sobretudo o conjunto de habitantes desse território.

Nos dois casos, o centro está na igreja.

 

  1. Sintomaticamente, esta centralidade da igreja está mais explícita na palavra «freguesia» do que na palavra «paróquia».

Enquanto em «paróquia» sobressai «casa» (que, evidentemente, é a igreja), em «freguesia» avulta claramente «igreja».

 

  1. É que, não obstante haver quem proponha outros étimos, «freguesia» vem de «filii» (filhos) e «Ecclesiae» (Igreja).

Deste modo, a freguesia é, originalmente, a comunidade formada pelos «filhos da Igreja».

 

  1. Assim sendo, «freguês», na sua raiz, não tem um sentido comercial, mas uma radicação espiritual.

Se olharmos para a etimologia, «freguês» não é um cliente, mas um crente. Por muito que nos espante, ser «freguês» é ser filho («filius») da Igreja («Ecclesiae»).

 

  1. E o certo é que, apesar de a relação com a Igreja se ter diluído, continua a ser à volta das suas actividades que as pessoas mais se congregam.

A freguesia é como uma extensão da família: ser da mesma freguesia é como ser da mesma família.

 

  1. Como facilmente se compreende, a Igreja de que aqui se fala extravasa, em muito, as paredes do templo.

Para a Igreja, ser mãe é uma identidade e a sua maior responsabilidade. Pelo que sentir-se filho da Igreja é saber-se gerado e permanente acolhido. Afinal, foi o Pai que nos deu a Igreja por Mãe. Cada «freguês» é, pois, uma dádiva que Deus (nos) fez!

 

publicado por Theosfera às 10:56

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro