O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 18 de Dezembro de 2016

A. Não falta quase nada ou continua a faltar quase tudo?

  1. Já falta pouco para o Natal. Pensando melhor, até não faltará nada para o Natal. Mas, olhando para o que se passa à nossa volta, será que não falta tudo para o Natal? Se perguntarmos ao tempo, ele dir-nos-á que, efectivamente, falta pouco para o Natal. Falta apenas uma semana, sete escassos dias para o grande — e luminoso — dia. Se perguntarmos a Deus, Ele está em condições de nos garantir que nada falta para o Natal. Ele já veio, Ele está sempre a vir, Ele nunca deixa de vir.

Mas se fizermos a mesma pergunta a nós próprios, que resposta teremos para dar? Poderemos achar que nada (nos) falta no Natal. Mas não será que nos falta tudo para o Natal? É possível que tenhamos preparado tudo para o Natal. Mas será que nos estamos a preparar devidamente para o Natal?

 

  1. Por fora, não faltará quase nada. Mas não será que por dentro continua a faltar quase tudo? O Natal já está perto de nós. Mas será que nós já estamos perto do Natal? Como é possível que mantenhamos distâncias na celebração por excelência da proximidade?

O Natal assinala a eliminação de todas as distâncias. O que era mais distante tornou-se o mais próximo. O que parecia estranho entranhou-se. Jesus é Deus no meio de nós. Jesus é, verdadeiramente, o Emanuel, o «Deus connosco», o «Deus em nós», o «Deus para nós».

 

B. Natal não são as oferendas que recebemos como prendas

 

3. O teofilósofo Xavier Zubiri dizia que «estar é ser em sentido forte». E, na verdade, só quem está mostra o que é. Ora, Jesus é o Deus que está, é o Deus que nunca deixa de estar. Jesus é o Deus que faz de cada pessoa a Sua habitação. A Sua habitação tem a forma de coração. É no nosso coração que Ele habita. É no nosso coração que Ele nos visita.

Em Jesus, Deus tornou-Se mais íntimo a nós do que nós mesmos. Ainda que nos sintamos longe d’Ele, Ele está sempre perto de nós. Haverá beleza maior? Haverá sequer encanto igual?

 

  1. Ouçamos, pois, o que o Anjo nos diz. Também para nós tem um anúncio feliz: «Não tenhas medo» (Mt 1, 20). O que foi dito a José ajuda a (re)despertar a nossa fé. Não tenhamos medo de receber Maria nem de adorar o Filho de Maria. Não tenhamos medo de professar o amor por Aquele que nos vem salvar. Não tenhamos medo de testemunhar, em cada dia por igual, o que celebramos no mistério do Natal.

O Natal não são só as oferendas que recebemos como prendas. O Natal é o presente que Deus faz a toda a gente. Não tenhamos medo de proclamar que o Natal é Deus que nos vem visitar. Não tenhamos medo de rezar diante d’Aquele que está sempre a chegar. Não tenhamos medo de testemunhar a nossa fé em Jesus de Nazaré.

 

C. Sem rumo neste «festival de consumo»

 

5. Por vezes, parecemos andar sem rumo neste «festival de consumo». Em vez de dinheiro, procuremos dar a vinda por inteiro. Estacionemos em Belém e paremos um pouco também. Tanta humildade vem com aquela divindade! Tanta luz que na simplicidade reluz! Maria e José não arredam pé: contemplar o Menino passa a ser o seu único destino. Haverá quadro igual para nos envolver no Natal?

José não percebe o que em Maria acontece. O mistério não é para perceber. O mistério é para acolher, ainda que não o possamos compreender. Nem sempre a evidência corresponde à existência. Maria estava grávida, mas nenhum homem A fecundou. Foi Deus quem A visitou. O que em Maria se passa é, totalmente, obra da Graça.

 

  1. José, que era justo (cf. Mt 1, 19), entra em provação, mas não opta pela difamação. Sabia o que dizia a Lei, mas sabia também que a justiça vai mais longe que a própria Lei. Ele sofria por causa do que via. Maria tinha engravidado antes de terem coabitado. A Lei não hesitava para quem assim se encontrava. Há que executar aquela que nesta situação se achar.

Sem saber bem o que fazer, José acaba por adormecer. Talvez saísse manhã cedo, repudiando sua Esposa em segredo (cf. Mt 1, 19). Uma coisa não iria deixar: que as suas palavras servissem para Maria condenar.

 

D. A maior maravilha que pelo mundo brilha

 

7. É então que Deus traz a solução. José não precisa de ter medo e a sua alma pode ficar em sossego. Nem tudo o que parece corresponde ao que acontece. Aquela gravidez foi obra que Deus fez. É a maior maravilha que pelo mundo brilha. Aquele seio do Espírito Santo está cheio. É um sacrário fecundo que trouxe Deus para o mundo.

O Céu desce até à Terra para acabar com a injustiça, com a guerra. Tudo começa a ser novo para todo este povo. A salvação está, finalmente, à nossa disposição. A partir de agora, já nada é como era; Deus está sempre à nossa espera. O Seu amor não tem fim. Iremos negar-Lhe o nosso «sim»?

 

  1. Pensemos que, neste mundo global, ainda há quem viva em abandono total. Neste tempo de encontros, ainda há muitos desencontros. E nesta época de encantos, continua a haver quem se sinta mergulhado em prantos. Há muita gente a viver só, de quem ninguém parece ter dó. Há muita gente abandonada, mesmo que pareça estar acompanhada. Há gente atolada em dor imensa, à espera do dom de uma presença.

Ponhamos Deus no nosso Natal como Deus nos pôs, a nós, no Seu Natal. Quando o Filho de Deus nasceu, foi por todos nós que Se ofereceu. Acolhamos o que Ele nos traz e vivamos sempre em paz.

 

E. No tempo que resta, preparemos a grande festa

 

9. Neste tempo que resta, preparemo-nos para tão grande festa. Falta pouco tempo para que o Natal chegue, mas talvez ainda nos falte muito para que o Natal fique. É pela conversão que as coisas ficarão melhores do que estão. Por tal motivo, celebremos o Perdão e abeiremo-nos do divino Pão. Não esqueçamos que o Natal é com José, com Maria e com Jesus na Eucaristia.

Assim sendo, não fiquemos só à nossa mesa, em noite de tanta beleza. Que cada um venha, com os seus, celebrar a Noite Santa na Casa de Deus. É na Eucaristia que Jesus volta a nascer e que o Natal volta a acontecer.

 

  1. O Natal é sempre para vir sem que jamais volte a ir. O Natal é para começar, não para terminar. O Natal é para acontecer e nunca para obscurecer. O Natal há-de ser acontecimento para viver em cada momento. O Natal é para todos. O Natal também existe para aquele que está triste. Até a tristeza será contaminada por tanta beleza. No meio de tanta correria, não percamos a alegria. E deixemos que a bondade tenha uma nova oportunidade.

Que o Natal não tenha «depois». Que o Natal só tenha «durante» e que se prolongue a cada instante. Que se apresse, então, o dia de Natal. Mas que não haja mais nenhum dia sem Natal. Que em cada coração se acenda a felicidade. E que a paz se instale em toda a humanidade. Deus vem ao nosso encontro, a cada hora. Comecemos, então, a recebê-Lo já, a partir de agora!

publicado por Theosfera às 13:30

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro