O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 17 de Abril de 2018
  1. Estamos no mundo para saborear o tempo. Mas gastamos grande parte da vida a numerar os anos.

Não espanta, por conseguinte, que a numeração dos anos se sobreponha — quase sempre — à vivência do tempo.


  1. Para nós, até o tempo está sujeito ao número. Quando nos perguntam pelos anos, pelos dias ou pelas horas, respondemos com números.

«Que horas são?» «Em que dia estamos?» «Em que ano nos encontramos?» A resposta a estas — e a outras perguntas — costuma ser debitada através de números.


  1. Cada fracção do tempo aparece-nos numerada.

Desde o mais ínfimo milésimo de segundo até à agregação dos anos em séculos e milénios, as diversas unidades do tempo surgem-nos indexadas a números.


  1. Curiosamente, apenas os meses estão mais substantivados que numerados.

Mas nem neste caso a terminologia escapa totalmente a uma matriz numeral. Basta notar que «Setembro» vem de «sete», «Outubro» de «oito», «Novembro» de «nove» e «Dezembro» de «dez».


  1. É por isso que nos sentimos desamparados quando não conseguimos associar uma determinada unidade temporal a um número.

É o que sucede com a vida de Jesus. Quando queremos identificar um ano, os Evangelhos não costumam indicar números. Mas será que nos deixam sem resposta?


  1. É preciso não esquecer que, nos Evangelhos, o tempo é mais teológico que cronológico.

Daí que tenhamos de ir mais além dos números sempre que nos voltamos para a vida de Jesus.


  1. Por exemplo, quando terá começado a Sua pregação?

Há muitas respostas, por aproximação ou cálculo. Todas elas procuram numerar um ano. Há, entretanto, uma resposta — de teor mais teológico que cronológico — a que raramente prestamos atenção.


  1. Lucas, citando Isaías (cf. Is 61, 2), informa que Jesus começa o Seu ministério proclamando um «ano da graça do Senhor» (Lc 4, 19).

Não espanta, aliás, que a designação dos anos chegasse a incorporar, além de um número, a expressão «Anno Domini» (Ano do Senhor) ou «Anno Domini Nostri Iesu Christi» (Ano de Nosso Senhor Jesus Cristo).


  1. O fundamental está no realce dado a Jesus Cristo.

É Ele a graça que Deus nos faz, é Ele a graça que Deus nos envia.


  1. Os números já pouco importam. Importante é perceber que Jesus é o tempo último (cf. Heb 1, 2), o tempo pleno (cf. Gál 4, 4).

É neste tempo que continuamos a viver (cf. Act 17, 28)!

publicado por Theosfera às 10:35

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


23



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro