O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 01 de Janeiro de 2017

 

 

  1. Do Natal ao Ano Novo a viagem é breve e, tantas vezes, acelerada.

Percorremos muitos quilómetros, visitámos muitos lugares e passámos por muitas pessoas. Chegaremos a estar verdadeiramente com alguém?

 

  1. Este é um tempo de alegria, mas também de muita nostalgia e imensas saudades.

Os que partiram parece que voltam. Não os vemos, mas não deixamos de os olhar. Sim, de os olhar com os olhos do coração e os óculos da alma.

 

  1. No fundo, o Natal continua a «prender» a atenção de muita gente. Alguém lhe será totalmente indiferente?

Até os lugares mais comuns — como o desejo de «Feliz Natal» — parecem vir adornados em tons de encanto.

 

  1. Precisamos de momentos como este. Necessitamos de sair, um pouco, da realidade de cada dia.

O problema não é o Natal ser diferente. O problema é tudo voltar a ser igual.

 

  1. Há uma bondade que se desprende dos céus e como que contagia as pessoas por estes dias.

Como notou António Gedeão, o Natal é o «dia de ser bom». Pena é que a nossa bondade se fique só pelas horas este dia.

 

  1. É bonito o Natal no aconchego do lar. Mas não é menos importante o Natal no desassossego do mundo.

Há muito Cristo de carne e osso (às vezes, mais osso que carne) pelas ruas das nossas cidades. Há muito Cristo sem lar, sem pão, sem ter quem Lhe estenda a mão.

 

  1. Ele disse, na «pauta» para o exame final, que seremos avaliados pela solidariedade e pelo amor.

«Tudo o que fizerdes ao mais pequenino dos Meus irmãos, é a Mim que o fazeis». Está no Evangelho segundo Mateus, capítulo 25, versículo 40.

 

  1. Deus, que habita no alto, visita-nos cá em baixo e com os que estão em baixo.

Aparece não como rei poderoso, mas como criança indefesa. Deste modo, se quisermos encontrar Deus, é para baixo que devemos olhar.

 

  1. É a partir de baixo que Deus nos olha. Deus não olha para nós, sobranceiramente, de cima para baixo. Deus olha para nós — humildemente — de baixo para cima.

E é em baixo que continua à nossa espera: nas profundidades da existência, onde a pobreza abunda, onde a injustiça avança, onde a solidão e o abandono não param de crescer.

 

  1. Jesus já não está só em Belém. Está na nossa vida também. Há dois mil anos, colocaram-No numa manjedoura, perto do chão. Mas, desde então, a Sua morada passou a ser o nosso coração.

Um excelente 2017 para todos!

 

publicado por Theosfera às 18:44

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro