O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2015

1. Uma mesma frase pode ter mais do que uma interpretação.
O artigo 187 da Constituição diz que «o Primeiro-Ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais».

2. A discussão centra-se no sentido que deve ser dado a «tendo em conta os resultados eleitorais».
Quem conclui que o primeiro-ministro deve ser a pessoa indicada por quem ficou em primeiro lugar nas eleições sente que está certo.
Mas quem deduz que o primeiro-ministro deve ser a pessoa indicada pela maioria gerada pelas mesmas eleições também sente que não está errado.

3. Nenhuma dificuldade existe quando o vencedor é apoiado por uma maioria de deputados.
O problema é quando a força mais votada não detém maioria.

4. Nesse caso, a quem entregar a governação?
Quando uma maioria de oposição não actua em bloco, acaba por haver sempre quem (geralmente pela abstenção) viabilize o governo. E se a maioria rejeitar o governo?

5. Olhemos para o que se está a passar entre nós.
O Presidente interpreta a Constituição de uma maneira e a maioria do Parlamento parece interpretar a mesma Constituição de outra maneira.

6. Assim sendo, o governo indicado pelo Presidente arrisca-se a não ser aprovado pela maioria do Parlamento.
E um governo apoiado pela maioria do Parlamento arrisca-se a não ser aprovado pelo Presidente.

7. Como sair deste impasse?
Ainda acredito que o bom senso impere e que o bem do país desbloqueie o que, a esta hora, ameaça permanecer bloqueado.

8. Pelo tom dos discursos, não é de crer que haja grandes aproximações.
Cada um deve assumir a sua responsabilidade perante o povo. Mas receio que o «preço» de tudo isto venha a ser pago pelo mesmo povo.

9. O povo escolheu os seus representantes também para que eles dialoguem entre si.
E se experimentassem indicar um primeiro-ministro que pudesse ser aceite por todas as forças do Parlamento?

10. Lembrei-me, por exemplo, do Dr. Guilherme de Oliveira Martins.
É sério e tem boa aceitação em campos diferentes do espectro partidário.

11. É só uma sugestão, que sei antecipadamente não ter qualquer acolhimento.
Limito-me, por isso, a pedir que não prolonguem mais esta indefinição. Alguém sairá vencedor disto se o país vier a perder com tudo isto?

publicado por Theosfera às 14:09

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro