O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 03 de Julho de 2014

É costume das pessoas e não deixa de ser hábito nos povos.

Regra geral, celebramos os feitos e propendemos a ignorar os defeitos, a calar os infortúnios.

Já Paul Valéry tinha reparado que «nenhuma nação gosta de considerar os seus infortúnios como seus filhos legítimos».

Trata-se de um erro, porém. Trata-se, diria, de infortúnio em cima de infortúnio.

Qual é a mãe que despreza o seu filho doente? O filho doente merece ainda maiores cuidados.

O infortúnio justifica ainda maior atenção. Porque com o infortúnio muito se aprende.

Não é de baixo que se sobe?

publicado por Theosfera às 10:36

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro