O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 09 de Outubro de 2016

A. Tudo está à disposição de todos

  1. A boa notícia que Jesus nos traz não é para alguns, é para todos. É por isso que, na Igreja de Jesus, não pode haver exclusões nem excluídos. Todos somos chamados, todos somos convidados. Todos somos cidadãos, ninguém é estrangeiro. Na Igreja de Jesus, ninguém é especial, já que todos somos únicos. Em Deus, tudo está à disposição de todos. Deus convoca-nos a todos, mas não deixa de olhar — com muito amor — para cada um.

A Liturgia deste Domingo está atravessada pela universalidade de Deus em Cristo. O projecto de Deus é, genuinamente, «católico», isto é, universal, dirigido a todos. Desde sempre, Deus tem um projecto de salvação para oferecer a todos os homens, sem excepção. Em Cristo, tal projecto atinge o auge e chega ao cume: ao cume do serviço, da entrega e da doação.

 

  1. Já no Antigo Testamento, como se pode conferir na Primeira Leitura, aparece alguém que, não pertencendo ao povo eleito — o sírio Naamã —, é atendido na sua prece. Este episódio, além de mostrar que só o Deus de Israel é Deus, revela que o Deus de Israel não é só para Israel.

Nesta intervenção para todos os povos, figurados no leproso sírio, Deus surge como alguém sensível aos problemas. Deus melhora a qualidade de vida. Ele é a cura e o curador, o médico e o medicamento. Na Sua intervenção, Deus não actua apenas no exterior; Deus transforma tudo. Naamã não ficou curado apenas de uma doença física. Todo o seu ser é transfigurado, tornando-se um homem novo. Deste modo, deixa os ídolos para servir o verdadeiro e único Deus. A certificação desta mudança radical dá-se quando proclama que «não há outro Deus em toda a terra senão o de Israel» (2Rs 5, 15).

 

B. A lepra evoca a humanidade ferida e excluída

 

3. A transformação deste homem vê-se também na gratidão que ele demonstra. Curado dos males que o afectavam, ele quis agradecer a sua cura. Começou por inundar o profeta Eliseu com presentes; mas depressa percebeu que não era a um homem que tinha de agradecer o dom da vida. Era a Deus que devia mostrar o seu reconhecimento. Tal reconhecimento manifestou-se numa adesão total da sua vida, do seu ser.

Já agora, a atitude do profeta Eliseu merece uma referência particular. Ele não quis tirar dividendos da situação em proveito próprio. Ao recusar qualquer presente das mãos de Naamã, Eliseu dá a entender que não é a ele, mas a Deus que o general sírio deve agradecer a cura. Nenhum ser humano tem poderes especiais. Só Deus cura, só Deus liberta, só Deus salva. O que nós, seres humanos, podemos — e devemos — fazer é orar, pedindo a intervenção de Deus.

 

  1. O Evangelho tem um registo semelhante. Também ele nos fala da lepra. Neste caso, conta-nos a história de dez leprosos que vão ao encontro de Jesus. É através de Jesus que eles descobrem a misericórdia e o amor de Deus. Estes leprosos representam toda a humanidade ferida, toda a humanidade ferida pela miséria e pelo sofrimento. É sobre esta humanidade ferida que Deus derrama a Sua bondade, o Seu amor, a Sua salvação.

Refira-se, desde já, que este episódio é exclusivo de São Lucas. Mais nenhum evangelista o refere. Trata-se de um episódio que mostra como o Deus que Se faz pessoa em Jesus vem trazer, em gestos concretos, a salvação a todos os homens, particularmente aos oprimidos e marginalizados.

 

C. Quem não precisa de ser curado da lepra?

 

5. É esse o ponto de partida da história que São Lucas nos conta: ele fala-nos de Deus como alguém com uma proposta de vida nova e de libertação para todos os homens. O número dez terá, seguramente, um significado simbólico: significa totalidade. É que o judaísmo considerava necessário que pelo menos dez homens estivessem presentes, a fim de que a oração comunitária pudesse ter lugar.

A presença de um samaritano no grupo indica, entretanto, que esta totalidade não se refere apenas à totalidade de Israel, mas à totalidade da humanidade. A salvação oferecida por Deus, em Jesus, não se destina somente a Israel, mas a todos os homens, sem excepção, incluindo aqueles que o judaísmo considerava afastados da salvação.

 

  1. Curiosamente, todos estes dez eram excluídos. O samaritano era duplamente excluído: por ser samaritano e por ser leproso. Os outros nove, embora membros do povo eleito, também eram excluídos por causa da lepra.

Devido ao facto de a lepra ser uma doença contagiosa, os que dela sofriam eram literalmente excomungados, sendo obrigados a andar longe das localidades. Se vissem alguém, deviam gritar: «Impuro, impuro!», para que as pessoas se afastassem (cf. Lev 13,45-46). É por isso que, segundo o texto de São Lucas, os leprosos mantêm as distâncias e falam em voz alta (cf. Lc 17, 13).

.

D. Porquê mostrar-se aos sacerdotes?

 

7. E o certo é que o pedido dos leprosos chega até Jesus. Jesus escuta o seu pedido, mandando que se fossem apresentar aos sacerdotes. É que, segundo o Livro do Levítico (cf. Lev 13, 2-3) era aos sacerdotes que competia declarar a cura da lepra.

E eles assim fazem. Eles partem, mostrando a sua plena confiança em Jesus. E o certo é que, antes de chegarem aos sacerdotes, eles ficaram curados. Foi no caminho que tudo aconteceu. Jesus remete para o Antigo Testamento, para os sacerdotes, porque, como disse no Sermão da Montanha, Ele não veio revogar, mas completar (cf. Mt 5, 17). No entanto, o caminho que aqueles leprosos pisavam já era o caminho para Jesus, que aliás viria a apresentar-Se como sendo o caminho (cf. Jo 14, 6).

 

  1. Quem cura estes leprosos é Jesus. E a cura é recebida no caminho de Jesus. É preciso pormo-nos a caminho para nos libertarmos, para sermos curados. O instalamento não cura, só faz adoecer. É preciso partir. É necessário aprender a ser nómada. O nosso abrigo só pode estar em Deus.

Há um aspecto, porém, que não escapa ao narrador. Até dá a entender, pela ênfase da narração, que o enfoque não está tanto na cura, mas no que vem a seguir. É que só um dos dez leprosos voltou para trás. Só um dos dez leprosos veio agradecer e louvar. E, tal como fizera na súplica, o agradecimento e o louvor também foram expressos em voz alta (cf. Lc 17, 15).

 

E. Há que aprender com os «de fora»

 

  1. Quem assim procedeu foi um samaritano (cf. Lc 17,15-16), considerado herético e, portanto, excluído. Jesus fica surpreendido e, ao mesmo tempo, desapontado com os outros nove: «Não ficaram limpos os dez? Onde estão os outros nove? Não se encontrou quem voltasse, para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?» (Lc 17, 17-18).

Às vezes, os de fora mostram estar mais por dentro do que aqueles que presumem estar dentro. São os de fora que, quase sempre, nos dão as maiores lições. Há, por isso, que estar atento e nunca fechar as portas a ninguém. É preciso aprender com os pequeninos, os excluídos e os marginalizados. Uma vez mais se confirma: até os excluídos do mundo são incluídos por Deus.

 

 

  1. É por esta boa notícia que somos convidados a dar a vida. O Evangelho não admite exclusões nem empurrões para fora. Como ouvimos na Segunda Leitura, o Apóstolo está preso, mas até aparenta estar feliz por «sofrer pelo Evangelho» (2Tim 2, 8). O evangelizador pode estar na prisão, mas o Evangelho nunca ficará aprisionado (cf. 2Tim 2, 9).

Por isso, não tenhamos receio de viver nem sequer de morrer. «Se morrermos com Cristo, também com Cristo viveremos. Se permanecermos firmes, também reinaremos com Ele. Se O negarmos, também Ele nos negará. Se Lhe formos infiéis, Ele permanecerá fiel pois não pode negar-Se a Si mesmo» (2Tim 2, 11-13). A Sua fidelidade é a garantia da nossa felicidade!

publicado por Theosfera às 05:29

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro