O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 19 de Junho de 2018
  1. A novidade não é a mudança, mas a aceleração da mudança.

Mudanças sempre houve. Mudanças tão aceleradas é que não nos recordamos de ter havido.


  1. É verdade que — como notou o poeta — «o mundo é composto de mudança». Mas salta à vista que «já não se muda como soía».

Mudando como sempre, estamos a mudar aceleradamente como nunca.


  1. Daí que dificilmente nos apercebamos do que nós próprios realizamos.

Foi a humanidade que produziu a técnica. Será que temos consciência de que a técnica está a produzir um novo perfil de humanidade?


  1. No rastreio de ganhos e perdas, importa perceber que temos conquistado muito, mas também temos desperdiçado bastante.

Como nos acostumámos a conseguir, fomo-nos desabituando de esperar. A rapidez está a retirar-nos paciência e a esvaziar-nos de esperança.


  1. Somos uma «geração apressada» e, por isso, «stressada». Mostramos muita eficácia nos actos, mas pouca lucidez nas decisões.

Somos a geração das grandes euforias e, ao mesmo tempo, das prolongadas depressões.


  1. Comunicamos cada vez mais sem filtros. Os espaços mediáticos estão cheios de protestos, pejados de murmurações e inundados de rancores.

Sobretudo os mais jovens, com a sua espontaneidade, não escondem as suas frustrações nem as suas rebeldias. Não falta, assim, quem qualifique muitos adolescentes como…«aborrecentes».


  1. O mais curioso é que são os mais novos quem melhor se movimenta num mundo desenhado pelos mais velhos.

A chamada «geração millennials» (também denominada «geração y») foi apanhada em cheio por uma revolução tecnológica que já estava em marcha.


  1. Por sua vez, a «geração z» (que lhe sucedeu) tornou-se a primeira geração de «nativos digitais». Nos tempos que correm, é especialmente nas redes sociais que se estabelecem os contactos pessoais.

Só que pouco parece ser sólido. As relações entre as pessoas são instáveis e os trabalhos precários.


  1. Sempre à procura da última novidade, facilmente nos cansamos: das coisas e também das pessoas.

São cada vez mais os objectos que arrumamos e as pessoas que descartamos.


  1. Contudo, não é por acaso que, segundo a Bíblia, «a sabedoria está nos cabelos brancos e a inteligência na longevidade» (Jb 12, 12). Quem nega que a experiência é uma preciosa fonte de ciência?

Não diabolizemos o que é novo. Mas também não subestimemos o que, vindo do passado, não está ultrapassado. Com todos podemos aprender, enquanto nos for dado viver!

publicado por Theosfera às 11:32

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro