O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

Neste dia, há 46 anos, o Concílio Vaticano II, já perto do seu final, publicava um dos seus documentos mais relevantes.

 

Tratava-se da declaração «Nostra aetate», que versava o diálogo entre a Igreja e as religiões não-cristãs.

 

O espírito de confronto dava lugar ao espírito de encontro.

 

Os outros credos deixavam de ser condenados e inundados de anátemas. Pelo contrário, a Igreja reprovava, «como contrária ao espírito de Cristo, toda a discriminação ou violência por motivos de raça, cor, condição ou religião».

 

Reconhecendo que, no fundo, a humanidade constitui uma «única comunidade», a Igreja assumia «nada rejeitar do que nas outras religiões existe de verdadeiro e santo». 

publicado por Theosfera às 19:23

De António a 28 de Outubro de 2011 às 23:19
A democracia formal está instalada à escala europeia, incluindo em Portugal. Mas a democracia real não.É tudo muito bonito quando nos encontramos em frases de mera circunstância. Mas quando claramente divergimos, aí vê-se logo que a democracia real não funciona. Nos Evangelhos, há muitas passagens que podem ser legitimamente interpretadas de forma diferente. Mas, quando notoriamente dissentimos, aí nota-se logo que o ecumenismo não funciona.

Terá Jesus encarnado como Deus em Maria, sem mediação biológica humana ? Os Evangelhos afirmam que sim e eu acredito na Transcendência. Mas o relato é real ou metafórico ? É legítimo duvidar e opinar que faria mais sentido que o próprio Jesus de Nazaré tivesse sido gerado como qualquer ser humano ? Para mim faria. Se há algo que me encanta no Divino é quando o Divino mais se aproxima da Humano, não quando o Divino traça uma linha divisória entre Deus e o Homem. O relato da Concepção Virginal de Maria, em relação a Jesus, estabelece uma cisão entre o Deus envolvido na realidade humana, no acto mais fundamental do indivíduo: o nascimento. Por isso digo que gostaria que essa passagem fosse meramente simbólica.

O que mais me encanta na Humanidade de Jesus é quando ele sofre a angústia de Getsemani e quando se engana no anúncio do momento da Parusia. O que mais me desagrada e inquieta nos Evangelhos é o absurdo episódio do endemoninhado geraseno. E o que mais me comove em Jesus de Nazaré é, acima de qualquer outra representação imagética, o retrato tocante, simples e humilde de Manoppello...

De Theosfera a 29 de Outubro de 2011 às 01:19
Bom Amigo, entendo as suas inquietações, mas faço minha esta sua afirmação quando à concepção virginal de Jesus: «Os Evangelhos afirmam que sim e eu acredito na Transcendência». É um acto de razão reconhecer que há uma infinidade de coisas que a ultrapassam. É o caso. Todas as perguntas são legítimas. Mas nem todas as respostas são, humanamente, possíveis. Pertencem à esfera do mistério. Muito obrigado por tudo. Abraço amigo no Senhor Jesus.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

18
19
21
22

23
24



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro