O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 24 de Setembro de 2011

Admiro mais (infinitamente mais) os que reconhecem o fracasso do que aqueles que passam a vida a cantar vitórias. Mesmo que estas sejam obtidas à custa de outros.

 

José Miguel Júdice diz ser «um homem com derrotas, mas não um homem derrotado».

 

Há derrotas que compensam mais que a maior vitória. Sobretudo se elas se deverem aos ideais por que lutamos: «Quando se morre por um ideal, ganha-se. Quando se sobrevive sem um ideal, vegeta-se».

 

Numa altura em que tudo se igualiza, é saudável ouvir alguém confessar que só somos vivos «quando somos diferentes. Estamos mortos quando cedemos».

 

A estagnação «é um sinónimo de morte». Só na «transgressão as sociedades evoluem».

 

É preciso ter muita coragem e ser muito livre para dizer isto.

 

O preço que se paga é, geralmente, muito elevado. Mas vale a pena pagá-lo!

publicado por Theosfera às 12:59

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro