O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

1. Vemos, ouvimos e lemos. E, como poetava Sophia, «não podemos ignorar».

 

Tudo está diferente, hoje, mas não necessariamente melhor.

 

A alternativa já não é entre esquerda e direita. É, cada vez mais, entre humanismo e tecnocracia.

 

Há, por toda a parte, uma crise de substância, de horizontes, de discurso. No reino das especialidades, quem se abre ao todo?

 

 Há muitos conhecimentos dispersos. Falta uma sabedoria omni-abarcante e motivadora.

 

Não basta, com efeito, aplicar os conhecimentos apreendidos. É fundamental pôr em marcha uma sabedoria que responda às dificuldades com oportunidades.

 

 

2. A criatividade não se limita a debitar o que se recebeu na escola. Ela abre-se ao que vai palpitando na vida, a maior escola.

 

O conhecimento permite acolher a realidade. Mas só uma grande sabedoria conseguirá transformá-la.

 

É preciso tratar das contas, sem dúvida. Mas é muito mais necessário revitalizar a esperança.

 

Se forem cerceadas oportunidades de realização, como é que as pessoas vão poder tratar das suas contas e das contas do Estado?

 

O povo anda deprimido. Está saturado de quem semeia ilusões. E mostra-se agastado com quem só sabe sacrificar os que já estão deveras sacrificados.

 

Um líder tem de ser mais que um contabilista. Tem de mostrar rasgo. Tem de apontar um rumo. Tem de remar na direcção certa. Tem de mobilizar recursos.

 

Não lhe basta cumprir. Tem de surpreender. Não pode limitar-se a reconhecer o que todos vêem. Tem de ser o primeiro a acreditar e o último a desistir.

 

Não pode estar esmagado pela realidade. De um líder não se pode ouvir expressões como «não é possível»; «não estamos em condições de assegurar»…

 

O líder há-de ser o que descobre uma janela aberta no meio de tantas portas fechadas.

 

 

3. O pessimismo, muitas vezes, não é uma opção pessoal. É uma imposição da realidade.

 

Estamos numa altura em que o crepúsculo surge mais cedo e a noite vai ganhando terreno.

 

E, de facto, vivemos uma época crepuscular. As esperanças parecem decapitadas pela berraria do discurso e pela dureza cruel da realidade.

 

Mas desponta já o sinal de um novo dia. Todos estão de acordo num ponto: como estamos não podemos continuar a estar.

 

É por isso que nunca terei estado tão optimista.

 

 O que salta à vista é tão aviltante que funciona como estertor de uma época e como despertador que prenuncia um novo amanhecer.

 

 Ainda estaremos na noite. Mas as vozes da sentinela não estão longe.

 

Enquanto o sol não desponta, não nos privem de uns vislumbres de luz.

 

A tecnocracia dominante sufoca. A cultura humanista está longe dos círculos do poder. Limito-me, pois, a implorar um pouco de decência.

 

O problema é que os que a têm não aparecem muito. E os que aparecem não parecem tê-la.

 

É natural que um cidadão com um mínimo de decência se sinta exilado no tempo que lhe é dado viver.

 

Nos tempos que correm, a obra conta muito e a imagem parece contar tudo. Será suficiente?

 

 

4. Não é por inércia que o melhor virá. Para que tudo piore, não é preciso fazer nada.

 

As maiorias tanto se fazem eco dos oprimidos como se resignam a ser ressonância dos opressores.

 

Há vitórias que não são oferecidas pelos votos.

 

No fundo, falta perceber que todos perdemos quando alguns ganham.

 

Carecemos, urgentemente, de homens bons à frente da coisa pública.

 

A obra não é tudo.

 

publicado por Theosfera às 00:03

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro