O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 30 de Agosto de 2011

«Entre espaldas de granito, Lamego é uma cidade verde, feita de quietude e de silêncio. Tem milhares de almas. Esse formigueiro porém...nem se vê nem se ouve trabalhar.

 

Dentro de oficinas escusas, os sapateiros batem a sola com marteladas surdas. Dos rossios e das ruas largas, dos becos e calçadas medievais, não sobe um pregão. Sobem torres, ergue-se um castelo que diz: escutai.

 

Então o silêncio desdobra-se na mudez religiosa dos bosques, no fresco mutismo das almuinhas, na discrição dos seres animados (...).

 

Os homens cruzam as sombras uns dos outros como se pisassem tapetes de veludo. Os rebanhos da Beira atravessam Lamego calados.

 

Se um cavalo de cigano tropeia nos lajedos...acorda só ecos lendários. Se um automóvel grasna, é escárnio, é risada de gaio que risca o céu no tempo farto. À noite, Lamego tolera o gemido duma guitarra.

 

Lamego dilui, ioniza os ruídos, convida moradores e forasteiros ao labor recòndito do espírito. Um berro em Lamego é uma blasfémia. O mocinho que vende as folhas não as apregoa. Oferece-as na palma da mão a quem as quiser ler. É distinto de todos os garotos do mundo (...).

 

Lamego! Este nome soa a remoto, sabe a pergaminho e a doce de convento. Cheira a pecado. Diz-se e fica a boca ruda e deliciosa.

 

Lamego é uma cidade verde. É o verde cerrado das matas, o verde buliçoso e translúcido dos álamos, o verde encandeado dos soitos, o verde fosco dos cálices das rosas.

 

Lamego é a cidade em que a terra se casa com a pedra harmoniosamente. Um festão de pâmpanos abraça o cunhal duma morada.

 

Um velho espreita da janela os víridos renovos...

 

Lamego ergue edifícios e cultiva flores com mãos de anéis. Em Maio, os terços de rezar transforma-os em grinaldas. Cingem as árvores cordões mordidos de corolas. É uma cidade em que o Rústico se afidalgou sem repúdio do Primitivo. E como na terra tudo é lento, desde o laborar das leivas ao ascender das seivas, o medir da fita ao balcão lamecense é sossegado como o comer e o benzer do lavrador.

 

Lamego! Terra escura. A sua luminosidade é toda interior. As braseiras do lar nunca se apagam. Brilham os rases no Museu, cintilam os olhos das mulheres na fonte.

 

Dizem que Lamego é avara. Será. O beirão sopesa o valor do graeiro que sementa. Embora. Lamego é gentil com os hóspedes, é carinhosa com os seus doentes. Trata-os num hospital airoso como um ninho, enternecedor com um berço embalado por uma avó.

 

Onde há burgo liberal que faça o mesmo?»

 

 

publicado por Theosfera às 22:03

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
17
18
19
20

21



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro