O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 24 de Julho de 2011

É difícil encontrar um fio condutor para explicar os acontecimentos.

 

O desenvolvimento não garante a segurança nem, por si só, oferece a felicidade.

 

As sociedades mais avançadas têm os seus dramas e não estão isentas de alojar pessoas e organizações com propósitos cruéis.

 

O que se passou na Noruega merece ser devidamente meditado.

 

Os próprios estudiosos têm dificuldade em descrever o nosso tempo.

 

Vergílio Ferreira anotava que a história é feita de intervalos. Para Marc Augé, que criou o termo sobremodernidade, «não sabemos em que história estamos».

 

Alvin Toffler limitava-se a verificar que «somos a última geração de uma civilização velha e a primeira geração de uma civilização nova».

 

Sucede que a moldura deste novo mundo é muito híbrida, por vezes parece indefinida.

 

O local onde tudo se definia (o campo) está praticamente deserto. Onde mais nos encontramos são os lugares de passagem. É o caso dos hipermercados ou dos aeroportos.

 

Marc Augé caracteriza estes espaços como não-lugares. Neles, há multidões, mas não se chegam a estabelecer relações. Neles, somos capazes de reter caras, mas de não colher impressões.

 

Os não-lugares não favorecem a permanência. Promovem a circulação e estimulam o consumo.

 

As pessoas procuram ter uma casa, mas passam pouco tempo nela. No tempo laboral, deslocam-se para o trabalho. Na época de férias, retiram-se para longe.

 

O próprio modo de vestir torna-se cada vez mais incaracterístico. Só em desfiles etnográficos se afere a proveniência, a identidade.

 

A tendência é para estar em todos os lugares como se estivéssemos em lugar nenhum. Limitamo-nos a ser «turistas consumidores», como diagnostica Zygmunt Baumann.

 

Um exemplo: ao chegar a uma igreja, não se esboça um gesto de religiosidade; a primeira coisa que se faz é olhar para os vitrais, para o tecto e fazer umas fotos.

 

Para muitos, até os templos deixaram de ser locais de peregrinação. Tornaram-se meros locais turísticos.

 

As pessoas vivem nas cidades, mas os comportamentos são cada vez menos cívicos, cada vez menos urbanos.

 

Hoje, permanecemos cada vez menos e circulamos cada vez mais.

 

É tudo muito intenso em cada momento. A dimensão de futuro está a esbater-se. A utopia parece esgotar-se. Daí que os economistas e os gestores quase abafem os escritores.

 

Como falar do futuro se o presente nos traz tão constrangidos?

 

A democracia vai-se generalizando, mas, no fundo e como adverte Marc Augé, a sua configuração assemelha-se «a uma oligarquia planetária».

 

São poucos os que decidem o destino de (quase) todos.

publicado por Theosfera às 00:57

De Manuel Filipe Santos a 24 de Julho de 2011 às 11:37
Gostei!
Muito obrigado,
MFS.

De Theosfera a 24 de Julho de 2011 às 16:08
Muito obrigado.

De Maria da Paz a 24 de Julho de 2011 às 15:00
Rev.mo Senhor Doutor:
Belíssima análise, tão aguda e tão realista!
«Onde mais nos encontramos são os lugares de passagem.»
De facto! Infelizmente!
Eu nunca tinha pensado nisto, pelo menos, desta maneira tão incisiva e tão em síntese!
Parecemos, hoje, sombras de sombras que se movem sem um rumo.
O estar, o receber, o acolher, estão a desaparecer... E com este fenómeno, tudo se vai: os laços de família e as boas e sólidas amizades que nos construíam e que davam, também, um sentido à vida. Recordo, saudosamente, o tempo em que se recebiam visitas e em que se ia "fazer visitas" - com todo o gracioso e agradável cerimonial de cortesia, de afecto e de conforto que isso implicava.

É decepcionante a realidade de hoje, a nossa!

Afectuosamente,
Maria da Paz



De Theosfera a 24 de Julho de 2011 às 16:09
Ex.ma Senhora Dra: tem toda a razão; a nostalgia, entremeada por muita melancolia, tem tomado conta de mim. Nem sempre avançar no tempo é crescer nas atitudes. Muita paz no Senhor Jesus.


mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro