O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 22 de Julho de 2011

«Nasci na religião cristã, fui baptizada, levada à catequese, lia na missa... Mas tudo o que conheci durante esse percurso não foi amor nem justiça: a maioria das pessoas na minha igreja regia tudo pelos seus "conhecimentos", a catequese era mais uma competição de "quem sabe mais, quem reza mais e melhor e quem vai mais vezes à missa?" (não sejamos hipócritas, eu estava incluída nesse grupo, tal como os outros eu queria sempre parecer a "melhor").

Tornei-me ateia aos 13 anos e, estranhamente, isso fez de mim uma pessoa muito melhor, com sentimentos bem mais cristãos. Só este ano voltei à prática da religião, estou mais informada e bastante feliz. A mim, foi-me necessário este percurso para servir melhor a Deus».

publicado por Theosfera às 16:19

De Maria da Paz a 23 de Julho de 2011 às 08:51
Rev.mo Senhor Doutor:
Procuro compreender a jovem Cláudia!
Penso que ela passou por uma purificação e agora é uma Cristã muito mais consciente.
O mesmo sucedeu comigo: várias aspectos me chocaram na minha Igreja, na minha religião.
Penso que o nosso caminho para Deus tem muitos episódios, muitas "voltas" e é um percurso "pessoal e intransmissível". Cada um de nós é único na sua caminhada.
Mas, apesar de tudo, creio que, no meu caso ( quem sabe se no caso de Cláudia...) foi essa base de educação religiosa na família e a catequese, na igreja, que nos deram os alicerces para o "retorno", para a retoma do Caminho , da Verdade e da Vida: o reencontro com Deus.
Afectuosamente,
Maria da Paz

De Theosfera a 23 de Julho de 2011 às 11:06
Ex.ma Senhora Dra: muito obrigado por mais estes notáveis contributos. Muita paz no Senhor. Abraço amigo no Senhor Jesus.

De António a 24 de Julho de 2011 às 15:30
Coloquem nas mãos de jovens reflexivos algumas passagens tenebrosas do Levítico e do Deuterónimo e depois digam-lhes que são livros divinamente inspirados.

Nesses momentos, muitos tornaram-se imediatamente ateus.

Depois falem-lhes de Humildade e continuem a insistir que toda a Bíblia é a Palavra de Deus.

Nesse momento, estão a gerar muitos jovens revoltados e agressivos.

Digam também a esses jovens que, nas mais diversas tragédias, como a do Haiti ou a dos tsunamis, Deus salva uns por milagre e outros deixa morrer porque é a Sua Vontade.

Finalmente, falem a esses jovens nos pagamentos de promessas e de rezas obsessivas para alguém poder alcançar os " favores" de Deus.

E depois espantem-se que existam ainda bastantes pessoas anti-religiosas e anti-clericais.

Que fizemos nós, os cristãos, do verdadeiro Cristianismo ?...

De Theosfera a 24 de Julho de 2011 às 16:16
Bom Amigo, muito pertinente essa sua reflexão. Oliver Thonsom avança com uma explicação. Alguns teólogos cristãos acharam que o cristianismo era demasiado simples e, então, apropriaram-se do Antigo Testamento, sem fazer a devida triagem. E, de facto, há apelos à humildade que constituem verdadeiras humilhações. Ainda bem que os jovens têm uma argúcia muito vincada, não se deixando guiar pelo mero princípio da autoridade. Fazemos sofrer muita gente com certos apelos à humildade. A Bíblia não é unívoca ao falar da Palavra de Deus. E Deus não fala apenas nas escrituras; fala também no tempo, no silêncio das consciências. Não deixa de ser sintomático notar que os primeiros cristãos foram acusados de ateísmo. O verdadeiro cristianismo tem, inquestionavelmente, um efeito purificar de muitas concepções de Deus, que, infelizmente, ainda persistem. Obrigado por tudo. Abraço amigo no Senhor Jesus.


mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro