O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 16 de Julho de 2011

Um pequeno gesto. Uma pequena atitude. Um pequeno sinal.

 

Sabemos, por experiência própria, que tudo aquilo que se revela grande começa por ser pequeno, muito pequeno.

 

O meu encontro com Xavier Zubiri começou por uma letra, por um simples e ou, melhor, y.

 

O único livro que dele havia na universidade onde estudei impressionou-me pelo título: El hombre y Dios.

 

Nada mais havia sobre ele naquela altura entre nós.

 

É, pois, com alegria que verifico que, tantos anos depois, três obras do teofilósofo espanhol são vertidas para a nossa língua.

 

Foi uma editora brasileira que tomou a iniciativa, devidamente apoiada pela Fundação Xavier Zubiri.

 

Zubiri em português continuará a não ter uma leitura fácil. Mas trata-se, sem dúvida, de um contacto estimulante.

 

publicado por Theosfera às 13:22

De IG a 17 de Julho de 2011 às 01:33
Sim, em princípio é uma boa notícia, porque traz para o público de língua portuguesa um autor muito importante e pouco conhecido. Acrescente-se que graficamente a edição é excepcionalmente bonita.

Mas, no caso concreto, não é uma completa boa notícia, porque uma das noções mais importantes de Zubiri foi traduzida de uma forma bárbara: na trilogia sobre a inteligência, ao contrário de «Natureza, Historia, Deus», traduziram «de suyo» como «de seu», que é uma aberração linguística e filosófica. Considero isto uma enorme desgraça. Quando havia duas hipóteses alternativas aceitáveis, escolheram a única inaceitável.

De Theosfera a 17 de Julho de 2011 às 12:54
Traduzir Zubiri é empreender uma dupla tradução: do espanho e do zubiriano. Pessoalmente, penso que algumas expressões perdem força significante quando são vertidas. Optei sempre por manter duas no original: «inteligencia sentiente» e precisamente «de suyo».
Obrigado pela alusão.


mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro