O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 26 de Junho de 2011

O Álvaro deixou um aviso, fez um reparo e formulou um pedido.

 

O aviso vem de trás e nem sequer traz nada de novo. Dizer que vêm aí tempos difíceis parece uma redundância. Difíceis são os tempos desde há muito.

 

Depois, o Álvaro chamou a atenção para uma falha. Havia produtos nacionais em exposição, mas seria bom que houvesse uma bandeira portuguesa para os sinalizar.

 

Finalmente, o Álvaro pediu que não o tratassem por ministro. E deu o exemplo dele mesmo. Quando chegou a Inglaterra, era tratado pelo nome próprio, por Álvaro.

 

Curioso paradoxo este: depois de apelar para os produtos nacionais, apela para uma prática habitual no estrangeiro.

 

Será uma espécie de snobismo ao contrário?

 

O Governo está a dar bastos sinais quanto ao estilo. É composto por pessoas desinibidas, com um porte informal, quase iconoclasta. Basta reparar no ministro que chegou de mota (ele que também Mota se chama) à tomada de posse.

 

São práticas enxutas, saudavelmente refrescantes. Mas não é por aí que o país avança.

 

Às vezes, o saldo destes excessos de informalidade nem costuma ser muito positivo. Alguma transcendência nos contactos não fica mal e nem sequer prejudica a estima e a proximidade.

 

Termos um Álvaro que é ministro ou um ministro que é Álvaro não é muito relevante.

 

Importantes não são os gostos pessoais do Álvaro. Importantes são os seus actos como ministro.

publicado por Theosfera às 23:38

De António a 26 de Junho de 2011 às 13:06
Eu aprecio os exemplos de genuína simplicidade e informalidade e não tenho paciência para as poses assumidamente doutorais.

Temos neste país demasiados profs e escassos sábios.

Mesmo que haja algum exagero nessa informalidade, os profs doutorais ainda ficam a ganhar...

De Theosfera a 26 de Junho de 2011 às 13:14
Concordo em absoluto com o princípio que enuncia. A minha dúvida é se estamos perante uma simplicidade genuína. Oxalá que sim. Pode ser que sim. Obrigado por tudo. Feliz Domingo. Abraço no Senhor Jesus.

De Sílvio S. Gomes a 26 de Junho de 2011 às 16:24

E que tal, pá, se nos tratássemos todos por tu, meu?



Perdoe a "genuína simplicidade", Sr. Pe., mas é só para vermos o efeito do fenómeno "ó Álvaro", assim ao vivo.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro