O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 08 de Junho de 2011

Os partidos têm os seus defeitos, mas, mesmo com os seus defeitos, são essenciais para a democracia.

 

É importante, por isso, que sejam estimulados a melhorar o seu serviço e a optimizar os seus recursos.

 

Não há dúvida de que, quando se pensa em partidos, pensa-se em poder.

 

É inevitável que cada força partidária esteja focada na forma de chegar mais depressa ao poder e de se estabilizar, duradouramente, no poder.

 

Isso não impede que se reflicta sobre a sua matriz, identidade, vocação.

 

A elevada abstenção não indica apenas alheamento da vida política. Pode identificar também um segmento inexplorado de um eleitorado potencial. Trata-se, porventura, de cidadãos que estão à espera de ser convencidos. Por atitudes convincentes.

 

Eis, portanto, uma passagem que se abre: da desilusão à expectativa.

 

O PS entrou em processo de escolha de uma nova liderança.

 

Ainda que tal não seja verbalizado, é natural que a preocupação seja pensar naquela pessoa que melhor pode assegurar o regresso ao poder.

 

E o que está em discussão, para já, são nomes.

 

Seria bom que, a montante e a jusante deste debate, se fizesse um outro.

 

O PS é um partido estruturante do nosso regime democrático. Pugnou pela liberdade e liderou a entrada de Portugal na Europa. Tem no seu código genético uma referência de primeira grandeza como Antero de Quental.

 

Num tempo de esbatimento das ideologias, também o PS foi invadido, como é compreensível, por uma certa deriva tecnocrática. O pragmatismo assim o terá ditado.

 

Mas nota-se também uma grande nostalgia pela tradição humanista que este partido sempre mostrou. Tal tradição humanista levou a que, a certa altura, o PS atraísse não apenas os cultores do socialismo democrático, mas também paladinos de outros ideais como a democracia cristã.

 

O personalismo deixou de ter porto de abrigo na actual paisagem político-partidária. É por isso que as pessoas passam facilmente da direita para a esquerda e da esquerda para a direita.

 

Esta volatilidade pode agilizar o sistema, mas acaba também por certificar o esboroamento do tecido programático dos partidos.

 

Nestas eleições, quase não se falou de socialismo, de social-democracia ou de democracia cristã.

 

Os tempos são outros e as coisas mudam. O problema não é tanto a falência das ideologias, mas a ausência de ideais.

 

Os nomes que se perfilam para a liderança do PS avultam pela capacidade oratória, pela gestão das equipas e pela capacidade de adaptação aos novos tempos.

 

Mas não haverá alguém que consiga revitalizar a génese humanista, solidária e altruísta do socialismo democrático?

 

Quererá o PS gerar uma alternativa ou estará mais empenhado em preparar uma alternância?

 

Desta vez, o PS vai ter algo que costuma faltar: tempo.

 

E o tempo pode oferecer a moderação, a sensibilidade e a esperança de que todos precisam.

 

publicado por Theosfera às 11:57

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro