O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

Ainda será preciso inventar palavras?

 

Haverá quem pense que sim e o faça. A cada passo, surgem neologismos. Uns oportunos. Alguns reveladores e fecundos. Outros talvez dispensáveis.

 

Em qualquer caso, parece-me que mais importante que inventar palavras é perceber o sentido fundo das palavras.

 

Vem-me à mente um pensamento célebre de Almada Negreiros: «Nós não somos do século de inventar as palavras. As palavras já foram inventadas. Nós somos do século de inventar outra vez as palavras que já foram inventadas».

 

De facto, é preciso recuperar as palavras inventadas. É que há palavras que se perdem, mesmo quando as pronunciamos.

 

Atendamos, por exemplo, à palavra verdade. Para a maioria, ela estriba no interesse. Tem uma geometria variável. Oscila conforme a conveniência.

 

Estacionemos, a seguir, na palavra humildade. Não falta quem a veja como submissão e conformismo. É sempre aos humildes que se pede que se humilhem ainda mais. Neste entendimento, Jesus não seria reconhecido como humilde, apesar de Se ter apresentado como tal. Há certos apelos à humildade que funcionam como convites à anulação da pessoa. Esquece-se, pois, que só há humildade na verdade, na autenticidade, na simplicidade. Humildade tem que ver com humus, com ligação à terra. O humilde escolhe sempre o último lugar. Será humilde o que avilta a sua consciência só para agradar ao poder?

 

E não deixemos de atentar na palavra palavra. A raiz hebraica dbr tanto dá para palavra como para peste. E o que abundam são palavras que empestam a convivência. A palavra é um elo, um laço. Mas há quem faça dela uma seta, uma tempestade. Há quem se sirva dela para esconder, quando ela existe para revelar. E existe quem não hesita em recorrer a ela para julgar, para condenar.

 

Não inventemos mais palavras. Procuremos redescobrir as palavras já inventadas.

 

E, antes de as usarmos, pensemos se o seu uso não irá ferir alguém. Para feridas, já bastam as da vida.

publicado por Theosfera às 00:00

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro