O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 20 de Maio de 2011

O texto do professor aposentado (aparecido mum jornal desta sexta-feira) faz-se eco da sensação de muitos dos seus coetâneos.

 

Os bons alunos são uma raridade cada vez maior.

 

É cada vez mais difícil motivar os discentes para o essencial da aprendizagem: a atenção.

 

O domínio da língua pátria é pobre. A relação com os números é pouco menos que tumultuosa.

 

Os índices de iliteracia e inumeracia são, de faco, preocupantes.

 

E, no entanto, quem for compulsar as pautas das notas fica, no mínimo, surpreendido.

 

Nunca as classificações foram tão elevadas como actualmente.

 

É natural que os mais idosos se mostrem um pouco sobressaltados.

 

Há tempos, o Prof. Manuel Antunes, reputado cirurgião, confessava que, pelas regras actuais, não teria entrado em Medicina. E, mais recentemente, o Prof. José Mattoso confidenciou que, nos tempos do secundário, era um aluno de 12, 13.

 

O mais curioso é que, porventura, eram alunos que dedicavam mais horas por dia ao estudo do que hoje.

 

Será que, presentemente, o reconhecimento (fornecido pelos professores) é superior ao conhecimento (patenteado pelos alunos)? Haverrá uma sobre-avaliação para um subaproveitamento?

 

É claro que os critérios são diferentes. E é preciso dizer que continua a haver alunos de excepção. Só que estes não se distinguem muito de outros que apresentam os mesmos níveis.

 

As formas de avaliação também vão evoluindo, procurando concentrar-se, hoje, na identificação de situações e não tanto na construção de textos, na elaboração de um pensamento ou na resolução de problemas complexos.

 

Outrora, o bom aluno era quase uma singularidade que sobressaía.

 

Percebo, por isso, alguma perplexidade que anda no ar.

 

E penso que a qualidade deve ser fomentada e distinguida.

publicado por Theosfera às 20:26

De Maria da Paz a 20 de Maio de 2011 às 23:16
Rev.mo Senhor Doutor:

O ensino tornou-se - graças aos governos abrilinos - a maior aberração que conheço. Os alunos não adquirem cultura - mas adquirem vícios. Pôr um filho, hoje, no ensino público, é entregá-lo à sorte, ao acaso: tudo pode acontecer e ninguém é culpado. São os colegas que são agressores, são os professores que não têm autoridade. São ainda os colegas que "arrastam" para vícios: drogas, sexo, etc. Mas isto é mesmo verdade. Também há professores que abusam de alunas - e continuam a dar aulas. Também há professoras mal portadas que continuam a ser professoras. Houve uma que apareceu nua na Playboy " e continua a dar aulas e a ter muito sucesso em festas de carácter duvidoso...
O ensino é um covil de feras: pobres de tantos alunos inocentes e pobres de tantos professores inocentes, competentes e bem intencionados, que se vêem ultrapassados e preteridos precisamente porque têm valores morais que... não convêm ...
Enfim: o ensino público é um autêntico "covil de feras" em que os inocentes são devorados e ficam marcados para toda a vida: alunos e professores.
Horrível!
Afectuosamente,
Maria da Paz

De Theosfera a 20 de Maio de 2011 às 23:37
Ex.ma Senhora Dra. Muito obrigado pela sua presença e apreciação. Abraço amigo no Senhor Jesus.

De Evágrio Pôntico a 21 de Maio de 2011 às 03:23
Senhora D. Maria da Paz,
aplaudo vivamente o seu comentário!

Não direi muito mais, porque a Sra. já disse tudo. Apenas uma nota: parece-me que esta "desorganização" e "abandalhamento" do Ensino (?!) talvez não seja meramente por acaso... Talvez haja um fim em vista: criar ignorantes, para serem facilmente moldados e manipulados...
Paz e Bem.

De Maria da Paz a 21 de Maio de 2011 às 08:21
Ex.mo Senhor:
Muito bem-haja por ter feito o favor de completar o que me faltava dizer: a distorção, a baixa de nível do ensino, não acontecem por acaso. Também creio num plano organizado por gente tenebrosa para fins inconfessáveis. E, para descer, basta um 'empurrãozinho': depois, é 'em movimento uniformemente acelerado' e em plano inclinado, dada a acefalia das 'massas' que tão facilmente se conduzem demagogicamente.
Nascemos e vivemos num Portugal maior! Tínhamos valores, éramos honrados, tínhamos um sentido para a existência porque acreditávamos na Transcendência, e tínhamos um Império, do Minho a Timor. Cristianizámos esse Império, civilizámos os Povos que lá viviam, e sentíamo-nos Irmãos.

Depois... depois ficámos reduzidos aos mais variados prazeres humanos, aos apetites imoderados, do corpo ou do capricho, sem um sentido nobre e transcendente para a existência. E ficámos reduzidos, territorialmente a 89mil km2 (e ilhas). Hoje...hoje somos um buraco com essas dimensões: a cova em que os ladrões e coveiros que elegemos nos enterraram.

«Exilámos os deuses e fomos / exilados de nossa inteireza» - disse Sophia de Mello Breyner .
Na verdade,exilámos Deus das nossa vidas e estamos a pagar por isso!
E exilámos "deuses", os nossos verdadeiros heróis, aqueles que conduziram Portugal a bom porto e fizeram de nós um grande Povo.
Nem Camões escapou: também ele foi, a dada altura, considerado "fascista" e expulso, por algum tempo, do ensino. Se não fosse trágico, seria cómico: Camões, fascista... a título póstumo!
E não falo de mais heróis (dos verdadeiros) para não ser, também, e uma vez mais. apodada de "fascista". Aliás, já estou habituada e rio-
-me!

Um apontamento: nunca mais se estudou Latim e Grego no nosso ensino secundário nem (pasme-se!)... nos nossos Seminários!

Éramos ricos e não sabíamos. Estamos na miséria e sem futuro!
Os meus cumprimentos, Ex.mo Senhor. Muito obrigada pela sua pertinente e delicada observação!
Maria da Paz


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro