O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 14 de Maio de 2011

O Concílio Vaticano II empenhou-se em ler os sinais dos tempos, expressão sábia que remete para algo essencial, determinante.

 

Perceber os sinais que cada tempo emite é, por isso, um sinal de sensatez e de fidelidade.

 

O tempo não é o espaço da dissolução, mas é o terreno da mudança.

 

Por muito que queiramos, não temos vinte anos quando completamos cinquenta.

 

Restaurar o passado quando se caminha para o futuro pode ser um sonho legítimo, mas é uma opção impossível.

 

O tempo é o caminho para o espírito. Nesse caminho, há lugar para o antigo e para o novo, para o antes e para o depois.

 

O presente, como dizia Zubiri, é transcorrência, uma espécie de transporte do ontem para o amanhã.

 

Cada época nunca pode ser a mera continuidade da época anetrior. Cada tempo emite os seus sinais.

 

A grande inspiração do Concílio foi não andar para trás. O passado continua a ser uma referência, mas a inspiração é a origem.

 

Refontalizar, palavra fecunda na trajectória conciliar, é voltar à fonte para melhor continuar o caminho.

 

É a partir da fonte Jesus que o Concílio propôs um encontro com o moderno. Impressiona, pois, que ele tenda a ser aplicado, por vezes, em sentido pré-moderno.

 

O Concílio foi um caminho aberto, que não pode ser interrompido. A renovação da mensagem é inseparável de uma reforma das estruturas.

 

O importante é que a Igreja se repense e se reforme incessantemente a partir de Jesus e de cada época em que se encontra.

 

O despojamento, a humanidade, a clemência, a bondade e a opção pelos pobres terão de estar na linha da frente.

 

A fidelidade não é apenas doutrinal. Tem de ser também iconográfica.

 

A simplicidade de Jesus tem de resplandecer mais na Igreja de Jesus.

 

O povo continua a ser crente, mas é também cada vez mais crítico.

 

Certos posicionamentos doutrinais partem do princípio de que os outros são adversários e que nós temos uma espécie de direito de propriedade sobre a verdade.

 

Urge repor a liberdade à cabeça de tudo. Onde há poder, fenece a liberdade e decai a afirmação da verdade. É que o medo condiciona e pode mesmo bloquear.

 

Jesus foi, além de claro, muito simples.

 

Voltar às Ben-Aventuranças e ao Mandamento Novo é uma opção que tem tudo para (re)mobilizar tantas vidas sedentas de sentido.

 

A Igreja é chamada a estar com os pobres, os que choram, os que constroem a paz, os puros de coração, os perseguidos.

 

Para quê tantas leis se uma única lei tudo resume: o Amor?

 

 

publicado por Theosfera às 12:54

De António a 14 de Maio de 2011 às 14:38
" A Simplicidade de Jesus tem de resplandecer mais na Igreja de Jesus", sem dúvida.

Ainda há tanto Caminho para, nesse sentido, percorrer...

De Theosfera a 14 de Maio de 2011 às 16:27
Tanto caminho, que teima em não ser caminaho.
Muito obrigado, bom Amigo. Abraço no Senhor.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro