O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

O regresso do Cristianismo a Cristo não passa só pela doutrina.

 

A fidelidade a Jesus não consiste apenas na repetição do que Jesus disse. Consiste sobretudo na imitação do que Jesus foi.

 

A humildade, o despojamento, a simplicidade e a opção preferencial pelos pobres estão inscritos no código genético do seguimento de Cristo.

 

A ostentação, a sobranceria e a proximidade com o poder criam uma fricção.

 

Às vezes, há o sério risco de um afastamento do Cristianismo em relação a Cristo.

 

Há configurações que se distanciam da identidade.

 

Subsiste, por vezes, a impressão de que há um desfasamento entre o que o Cristianismo é e aquilo em que o Cristianismo se tornou.

 

Uma das diferenças mais notórias tem que ver com a pluralidade e a integração do diferente.

 

Parece que a unidade resulta mais da imposição de um centro do que do acolhimento de muitos pontos.

 

No princípio, notava-se uma coexistência entre várias formas de organização. Até a designação dos servidores das comunidades era variada. Não havia qualquer problema com isso.

 

A posição que não venceu no Concílio de Jerusalém (que pretendia que todos os cristãos passassem pela circuncisão) não foi estigmatizada.

 

Os vencidos não foram expulsos. Não houve anátemas.

 

Infelizmente, as épocas seguintes nem sempre se deixaram iluminar pela luz das origens.

 

Ainda hoje, quem lê (e ouve) posições conservadoras e posições progressistas fica com a sensação de que o maior adversário é um irmão na fé.

 

Há algum progressismo que parece dissolver a fé na simples moda de cada época. E existe um certo conservadorismo que entricheira a fé, recusando a menor abertura aos sinais dos tempos.

 

Acresce que esta animosidade interna está polarizada em torno de querelas doutrinais, rituais e disciplinares. Ou seja, fala-se muito de problemas institucionais e pouco em Jesus.

 

Não raramente, o que se torna central são conceitos e afirmações que não vêm de Jesus.

 

Tudo isto são sinais de que a história está longe do fim. E não faria mal, em muitos pontos, regressar às origens.

 

Cristo é a cabeça do Cristianismo. O Cristianismo não é a cabeça de Cristo.

publicado por Theosfera às 23:30

De António a 13 de Maio de 2011 às 13:50
Há passagens do Evangelho que me deixam estupefacto e não é por isso que vou deixar de ser cristão. O que me importa é o essencial da Mensagem de Cristo, plasmada no preceito " amai-vos uns aos outros". Mas reconheço que um conjunto variado de passagens poderá ser interpretado no sentido de uma postura intolerante de Jesus de Nazaré, como " quem não está comigo, está contra Mim". Mas há mais que apontam em sentido similar. Não vou fazer de conta que essas passagens equivocas não existem porque existem. O Cristianismo deve ser um lugar de procura muito exigente. Fazer de conta pode ser útil, mas não aprofunda os esteios da crença. O grande mal é que, no Cristianismo em geral, debate-se muito pouco. E, quando se conversa, é para os diferentes cristãos, reciprocamente,se invectivarem...


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro