O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

Um discurso não pode valer apenas pelo ornamento retórico. A sensatez do conteúdo deve prevalecer sobre a estética da forma.

 

Daí que seja preciso ter cuidado com quem fala demasiado bem.

 

Não se trata de estigmatizar a arte de bem dizer. Trata-se, sim, de introduzir alguma cautela no discernimento.

 

A demagogia tem uma especial apetência pela retórica.

 

Sem uma forte componente ética, um bom discurso pode ajudar não a revelar, mas a esconder.

 

Um bom discurso tanto pode ajudar a difundir a melhor ideia como pode ajudar a publicitar o pior projecto.

 

Hitler, embora não muito dotado intelectualmente, era mestre no manuseio da palavra.

 

Os seus discursos eram inflamados e envolviam as assembleias, suspensas do que ele dizia.

 

O discurso do rei faz-se eco desta apreciação. O que Hitler dizia era mau. Mas era bem dito.

 

Ele não se fazia rogado e conseguia enlear até os sectores mais imprevistos.

 

Muito gente não saberá, mas houve um bispo que escreveu um livro acerca dos fundamentos do nacional-socialismo. No fundo, pretendia dar-lhe um enquadramento teológico.

 

Alois Hudal, assim se chamava o prelado, perguntava na introdução: «Não terá o Nacional-Socialismo trazido ao povo alemão uma ideia boa e válida para que o apoio ao movimento com uma atitude religiosa positiva seja não só desejável como absolutamente necessário?».

 

Como ponto em comum entre católicos e nazis, o antístete apontava a mesma convicção na obediência cega à autoridade.

 

É claro que Roma não concordou e o próprio Papa Pio XI fez sérios reparos à obra. E, apesar da simpatia inicial de Hitler (leitor compulsivo), o nazismo também não apreciou por aí além esta injecção de catolicismo na sua ideologia.

 

O que importa realçar é o perigo. Até as piores ideias podem contagiar quem menos se pensa.

 

O poder nunca deixou de suscitar uma teologia subserviente. Pela palavra. Ou pelo silêncio.

publicado por Theosfera às 11:22

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro