O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 05 de Maio de 2011

Nesta hora, o pior que nos pode acontecer, a par da desesperança, é a indiferença.

 

Por muito menos, há quem indigne muito mais.

 

Stéphane Hessel publicou um livro onde convida à indignação. O prefácio pertence a Mário Soares, famoso por ter defendido, em tempos, o «direito à indignação».

 

A bem dizer, trata-se de um opúsculo, o que prova que não é preciso a um livro ser grande para se tornar um grande livro.

 

Em vários países, tem sido um êxito editorial estrondoso, tanto mais que o autor já leva 93 anos de vida.

 

Começa por questionar a ideia de que «o Estado já não consegue suportar os custos das medidas sociais. Mas como é possível que, actualmente, não tenha verbas para manter e prolongar estas conquistas, quando a produção de riquezas aumentou consideravelmente» desde o fim da segunda grande guerra, «quando a Europa estava arruinada»?

 

A resposta vem pronta: «Porque o poder do capital nunca foi tão grande, insolente, egoísta, com servidores próprios até nas mais altas esferas do Estado».

 

Ou seja, enquanto, primeiro, se procurava colocar o capital ao serviço das pessoas, agora a tendência é para posicionar as pessoas ao serviço do capital.

 

No primeiro caso, o dinheiro é um instrumento. No segundo, o lucro é um fim. O fim supremo?

 

A história não muda quando as pessoas se deixam subjugar pelos seus receios. A história pode mudar quando as pessoas se deixam guiar pela indignação.

 

Não é preciso que toda a gente se manifeste. Basta que «uma minoria activa se insurja». Teremos, então, «o fermento necessário para levedar a massa».

 

A indiferença é a pior das atitudes. Não podemos presumir que as decisões são com os outros. O tempo é da política. Mas é sobretudo da cidadania.

 

Tudo isto tem de ser feito de modo não violento. É preciso aprender a conjugar a indignação com a paz.

 

Será possível?

publicado por Theosfera às 11:43

De Tiago M Franco a 18 de Maio de 2011 às 09:56
Gostava de acreditar que sim, mas não acredito que nos próximos anos as coisas mudem. É uma excelente obra, o autor disse mais nestas 30 paginas que muitos em 800 paginas.

De Theosfera a 18 de Maio de 2011 às 11:06
Obrigado pela visita. Pode ser que a esperança supere os temores. Se, como disse Charles Péguy, «a esperança espanta o próprio Deus», pode ser que nos surpreenda. Mas não é fácil. Concordo com a análise da obra. Em pouco diz mais do que muitos que escrevem muito. Abraço amigo no Senhor.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro