O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 03 de Maio de 2011

Causou estranheza a muita gente que Barack Obama tivesse invocado o nome de Deus, por mais de uma vez, na comunicação onde anunciou a morte de Ben Laden.

 

O presidente do Peru foi mesmo ao ponto de considerar este o primeiro milagre obtido pela intercessão no novo Beato João Paulo II!

 

Como todos se lembram, o nome de Deus era também utilizado por Ben Laden e por outros terroristas.

 

Ora, isto reconduz-nos ao que José Saramago denunciara com a sua acidez impenitente. Parece que um deus andou a semear ventos e outro deus andou a colher tempestades.

 

Dir-se-ia que se a verdade é a primeira vítima da guerra, Deus não é a última.

 

Quando ouvimos mais depressa recorrer a Deus para a guerra do que para a paz, estamos a prestar um péssimo serviço Àquele a quem, supostamente, queremos louvar.

 

No fundo, dizemo-nos religiosos e nem sequer percebemos o básico do religioso: ligar e não desligar, muito menos eliminar.

 

A história religiosa está cheia de instrumentalizações que nos deviam fazer corar.

 

Enquanto não tolerarmos o discrepante, enquanto não avançarmos para o consensuante (estou a socorrer-me de fecundas expressões de Pedro Laín Entralgo), continuaremos longe do essencial.

 

O inquisidor de Dostoiésvsky censurava Jesus por ter colocado a liberdade à cabeça de tudo. Só que teimamos em não aprender com Ele.

 

Eliminar o diferente é uma tentação muito grande. De parte a parte.

 

Hoje, muitos vão deitar-se aliviados. Será que, amanhã, irão despertar sem medo?

 

Precisamos de algum tempo para saber se, com a morte de Ben Laden, o 11 de Setembro ficou liquidado ou se, pelo contrário, não continuará a ter penosas réplicas.

 

As trevas persistem em não nos deixar.

 

Sobre tudo isto, mantenho no essencial o que assumi aqui.

publicado por Theosfera às 00:01

De António a 3 de Maio de 2011 às 03:55
Curiosas as semelhanças entre Obama e Osama. Nomes muito parecidos e ambos falando em nome de Deus.

Obama tem, porém, uma característica peculiar: foi galardoado como Prémio Nobel da Paz e mandou enfiar alguns balázios em Khadafi e Osama.

O que seria se ele não fosse Prémio Nobel da Paz...

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro