O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Creio que foi Talleyrand que afirmou: «Quando algo se torna urgente já é demasiado tarde».

 

Andamos sempre a reboque dos acontecimentos.

 

Até certa altura fizemos história. Actualmente, parece ser a história a fazer-nos. Ou, o que será mais adequado dizer, a desfazer-nos.

 

Portugal é dos países do mundo onde as pessoas mais trabalham. Mas nem por isso a produtividade é elevada.

 

Estamos focados no défice público, mas a actual situação tem muito que ver com os cidadãos. É sobretudo a banca e o investimento imobiliário que nos trouxeram para este ponto excruciante.

 

Ainda assim, era o pensamento dominante que nos instigava ao consumo.

 

Está na hora de redefinir um rumo para o país e para os seus cidadãos.

 

Recordo que, quando entrámos na então CEE, Mário Soares assegurou que «a solidariedade europeia nunca nos faltaria».

 

Mas não podemos viver sempre à boleia dos outros, até porque (v.g. o caso da Finlândia) a satuarção de quem ajuda começa a notar-se.

 

Vamos ter de nos habituar a viver com menos. O problema é que, em muitos casos, isso significará a insolvência, a fome.

 

Outorgámos um doutoramento a Lula da Silva, mas não cuidámos de lhe perguntar a fórmula para colocar o Brasil como uma potência emergente. (Isto apesar das assimetrias que persistem).

 

Mas ele não se tem escusado a pôr em público o que fez. A sua fórmula pode sintetizar-se em duas palavras: desenvolvimento com justiça.

 

Uma sociedade não cresce quando o lucro aumenta, mas quando todos têm acesso ao essencial. A cada um deve ser dado segundo a sua necessidade. De cada um deve ser pedido segundo a sua capacidade.

 

Tudo precisa, pois, de ser refundado: a vida política e a vida cívica.

 

O actual modelo está esgotado. 

publicado por Theosfera às 10:37

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro