O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 13 de Abril de 2011

Já sabemos que a liberdade, sendo um direito sagrado, não é um absoluto. Será sempre relativa às pessoas que coexistem. A liberdade de uns não pode litigar com a liberdade de outros.

 

A França pode não apreciar o uso da burqa por parte de algumas mulheres islâmicas. Não faz parte da sua tradição. Só que os tempos mudam e o mundo tornou-se uma aldeia. Se, no passado, encontrámos europeus na África e na América, é natural que, actualmente, encontremos africanos, americamos e asiáticos na Europa.

 

Convém não esquecer que, no passado, os europeus não se coibiram de impor muitos dos seus hábitos lá fora. Como não aceitar que os outros vivam de acordo com os seus hábitos cá dentro? Desde que não os imponham, tudo se circunscreverá a uma questão de pluralidade.

 

Cada terra deixou de ser um quadro monocolor. Assemelha-se, cada vez mais, a um mosaico multicolor. Em cada terra acaba por estar toda a terra.

 

O poder tem obrigação de entender o zeigeist, o espírito do tempo. Arranjar problemas desnecessários não é um bom sintoma.

 

Até Timothy Gartom Ash, que não é propriamente um religioso, defende que «os homens e as mulheres devem poder fazer, dizer, escrever, desenhar e vestir o que quiserem, sempre que isso não cause danos aos outros».

 

Para quê ver um desafio onde, à partida, nada mais existe que afirmação de identidade? 

publicado por Theosfera às 11:44

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro