O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 10 de Abril de 2011

Há muita coisa que lembramos. Há muita coisa que esquecemos.

 

A respeito de Jesus, são muitos os esquecimentos que amortecem as lembranças.

 

Lembramos, habitualmente, as doutrinas sobre Jesus. Mas tendemos a esquecer os gestos de Jesus, os sentimentos de Jesus.

 

O Evangelho deste Domingo, ao apresentar-nos um Jesus portentoso que devolve à vida um cadáver já sepultado, mostra-nos também um Jesus poderoso na Sua divina fragilidade.

 

Por vezes, a nossa frieza institucional não abre grande espaço para perceber, por exemplo, que Jesus também tinha amigos, que Jesus também gostava dos Seus amigos, que Jesus também sentia, que Jesus também chorava.

 

Jesus não teve vergonha de assumir o Seu pranto.

 

Só deve haver vergonha quando nos recusamos a ser humanos.

 

Jesus é a humanidade total. É o divino que emerge no humano sem freio.

 

Jesus é o diferente tornado realidade.

 

Ele o possível de todas as nossas impossibilidades.

 

Nem a morte faz recuar ou desistir.

 

Todos os lázaros deste mundo podem ter a certeza de que têm em Jesus um aliado, um companheiro, um irmão.

publicado por Theosfera às 13:29

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro