O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 30 de Março de 2011

A hora que passa até pode ser benéfica para a Igreja. Neste krónos sombrio, ela até poderá vislumbrar um kairós luminoso.

 

Quem sabe se esta não será uma oportunidade de reencontrar o paradigma perdido: o paradigma das origens, o paradigma do despojamento, o paradigma da simplicidade e do serviço?

 

Numa altura destas, o mais habitual é enveredar por uma atitude reactiva. Estudos sérios atestam esta tendência, este perigo.

 

Assim, Alfredo Teixeira considera que a Igreja Católica enfrenta «tendências de guetização da experiência cristã», que exigem uma «reconstrução criativa».

 

Num texto publicado na mais recente edição do semanário Agência Ecclesia, o professor da Universidade Católica fala de um «processo de desagregação a que Michel de Certeau chamou o fim do cristianismo objectivo».

 

Há quem fique assustado perante as interpelações do tempo e desate a insistir nas fórmulas que fizeram escola, mas que estão, também elas, tingidas pelo desgaste.

 

Não falta quem, apelando muito para a história, acabe por fazê-la estacionar numa determinada época. Daí a propensão para confundir fidelidade com mera repetição e objectivação.

 

Voltando a Alfredo Teixeira, é «talvez por isso que nos encontramos perante algumas tendências de guetização da experiência cristã e as perplexidades dos que escolhem a ambiguidade do mundo como lugar do testemunho».

 

Achamos que toda a novidade é dissolvente e estigmatizamos toda a criatividade como infiel.

 

Por sua vez, o Padre José Frazão Correia diz que o «acto de fé e as práticas crentes deixaram de contar com a protecção de um centro reconhecido e incontestado, bem delimitado e seguro».

 

Ora, isto até pode ser positivo. Jesus nunca apelou para qualquer segurança. Pelo contrário, expôs-se corajosamente a todos os perigos.

 

Nunca alimentou qualquer compromisso com os poderes. Pelo que espanta que, por vezes, a Igreja tenda não só a estar próxima do poder como a conceber-se, ela mesma, em estrutura de poder.

 

Jesus, não excluindo ninguém, sempre Se identificou com os mais pequenos (cf. Mt 25, 40). Acontece que alguns, em Seu nome, parecem distantes daqueles de quem Ele sempre esteve próximo.

 

Assim, diz o Padre José Frazão Correia, «o que estamos a perder não parece essencial à fé em Jesus. Será, antes, uma falsa segurança (cultural, política, ética, etc.) que, em muitos casos e momentos, parece ter obscurecido e enfraquecido o Evangelho».

 

Neste sentido, «a fé em Jesus de Nazaré não quer ser sem a diversidade de pessoas, tempos e modos, os seus dramas e êxitos».

 

A experiência de Jesus não é monolítica. É saudavelmente pluriforme. Tem a forma das pessoas que a fazem. De todas.

publicado por Theosfera às 11:42

De António a 30 de Março de 2011 às 13:22
Há sobre o Evangelho várias interpretações possíveis. Todas legítimas, quando bem intencionadas. Mas quantas pessoas foram brutalmente excluídas por pensarem autonomamente e divergirem das interpretações dominantes ? Nos tempos que correm, a tentação totalitária de estigmatizar quem divirja de teologias institucionalizadas é ainda muito forte. Na Idade Média eram torturadas e queimadas. Hoje, recebem o labéu de " relativistas"....

De Theosfera a 30 de Março de 2011 às 16:01
Obriado, bom Amigo, por mais esta sua participação. Anelo, de facto, por um momento em que o Evangelho seja a única lei na Igreja e que cada cristão possa vivê-lo e interpretá-la com a sadia liberdade que Cristo nos ofereceu. Abraço amigo.

De António a 30 de Março de 2011 às 17:20
Também eu estimado Padre João António anseio por esse momento. Tenho a sensação que isso só será possível se e quando a Igreja Católica organizar o Concílio Vaticano III, com repercussões simultâneamente dogmáticas e pastorais. O CVII foi um grande avanço mas há sempre aqueles saudosistas de uma igreja mais litúrgica e menos social e ecuménica que teimam em boicotar a dimensão enriquecedora do CVII, no qual interveio, com uma das suas figuras proeminentes, o então cardeal Joseph Ratzinger.
Mas para que esse evolução possa suceder é necessário, entretanto, prosseguir a saga de retirar Deus do poço fundo da nossa ignorância e mesquinhez humanas.
Ele fala baixinho e com Voz Doce e Suave, por isso não O escutámos na Sua Infinita Bondade.
Ainda vivemos muito na sombra da figura tenebrosa de certas passagens do AT e muito pouco sob a Luz de Cristo.
Enquanto teimarmos em conciliar o inconciliável não iremos a lado nenhum, senão ao da profunda letargia ética e conceptual em que mergulhamos.Abraço amigo...


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
19

20



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro