O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 09 de Março de 2011

Se a sociedade se assemelha a um vulcão perto de explodir, a classe política parece uma tempestade já a desabar.

 

A tomada de posse do reeleito Presidente da República foi marcada pelas reacções negativas de parte do Parlamento.

 

Nada disto é dramático. Em democracia, ninguém se deve sentir coagido ao falar e ninguém se deve sentir inibido no reagir.

 

Um sistema político como o nosso é feito daquilo que, habitualmente, recebe o nome de «checks and balances» (pesos e contrapesos). Ou seja, os diferentes poderes controlam-se mutuamente.

 

É assim que nem o presidente da república está acima da crítica. Mas se não está acima da crítica, também não estará diminuído na sua capacidade de intervenção.

 

E a tradição democrática portuguesa mostra que o chefe de estado costuma ser bastante assertivo nas apreciações das políticas governativas.

 

Há quem veja, no discurso de Cavaco Silva, uma preparação para a demissão do governo. Penso que tal leitura é excessiva.

 

Mais do que mudança de políticos o que se espera é uma mudança de políticas.

 

E se alguma coisa há a reter é que há limites para os sacrifícios.

 

O apelo ao sobressalto cívico parece replicar o direito à indignação, defendido por outro presidente da república.

 

Não creio que o discurso presidencial tenha primado pela novidade. Foi até redundante. Limitou-se a fazer eco da realidade quotidiana.

 

Mas há coisas que dificilmente mudarão. Deixar de tomar medidas por instinto, por puro voluntarismo, ou fazer nomeações por mérito e não por critérios de ordem partidária era necessário, mas parece quase impossível. O código genético da política lusa não consentirá mudanças em certos domínios. Nem à direita nem à esquerda.

 

Não há drama nas palavras do presidente. Drama há (e não é pequeno) no dia-a-dia das pessoas.

 

E todos os esforços devem ser conjugados na resolução dos problemas. Não no seu agravamento.

 

Mas, já agora, um pouco de fair play fica bem a toda a gente. Até à classe política. O discurso presidencial terá sido duro, mas daí a qualificá-lo como sectário vai uma grande distância. Há que ter alguma temperança. Na acção e na reacção. No aplauso e na crítica.

 

Confesso que também não gostei muito do que ouvi hoje. Mas gosto ainda menos do que vejo todos os dias.

 

E reconheçamos que, diante do desemprego galopante, do aumento do custo de vida e da insegurança, é difícil tecer grandes ornamentos retóricos.

 

Não vale a pena amuar por causa de um discurso. Importante é olhar em frente, encarar a realidade e tentar transformá-la.

 

É isso que se espera. É isso que urge.

publicado por Theosfera às 21:26

De Maria da Paz a 10 de Março de 2011 às 01:09
Rev.mo Senhor Doutor:
Parabéns pelas palavras lúcidas e desassombradas deste comentário ao discurso do Senhor Presidente da República.
Muito bem-haja pelo seu ponto de vista, pela "sua leitura" perspicaz , pertinente e necessária: para iluminar a Verdade e para alumiar o Caminho...
Afectuosamente,
Maria da Paz

De Theosfera a 10 de Março de 2011 às 10:06
Ex.ma Senhora Dra., muito obrigado pela sua presença e pelas suas palavras. Muita paz no Senhor.


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
19

20



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro