O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 08 de Março de 2011

Se a maior oposição a Jesus veio da parte do poder, pode espantar que, ao longo da história, a Igreja de Jesus se tenha erigido, ela própria, em estrutura de poder.

 

Roma marcou, aqui, uma posição decisiva. Houve não apenas a cristianização de Roma, mas também a romanização do Cristianismo.

 

Diga-se que, desde o princípio, sempre existiu uma organização nas comunidades cristãs. E, no âmbito de tal organização, não deixou de haver tensões. O caso de Corinto é, porventura, o mais conhecido.

 

Não há dúvida, porém, de que o impacto de Roma marcou uma viragem decisiva.

 

Inicialmente, os cristãos foram perseguidos pelo império. A partir de Constantino (313), começaram a ser integrados. E o modelo da estrutura eclesiástica passou a ser o império romano.

 

Era como, no dizer do historiador Laboa Gallego, a coroa de espinhos tivesse ficado em Jerusalém para ser trocada pela tiara, símbolo da potestade papal.

 

É claro que há sempre o risco de algum simplismo. Mesmo em Roma, nunca deixou de haver quem mostrasse sensibilidade pelo despojamento original da Igreja.

 

Mas é inegável que a marca do poder romano ficou impressa na configuração da Igreja.

 

O Concílio Vaticano II procurou assinalar, na linha da reflexão teológica que vinha a ser feita, a chamada refontalização.

 

Sucede que este regresso às fontes incidiu, prioritariamente, sobre a doutrina, sobre a concepção da própria Igreja.

 

Falta, entretanto, extrair a totalidade das ilações de tal refontalização no que respeita à organização eclesial.

 

Para isso, seria importante voltar a Jerusalém, onde aliás ocorreu o primeiro Concílio (cf. Act 15).

 

Não se trata de regressar para lá ficar. Mas de regressar para de lá, de novo, partir.

 

Muitas vezes, já não nos apercebemos de como funciona uma hermenêutica de poder, em que é a autoridade que tudo decide. Ora, o Espírito que assiste a Igreja não deixa de inspirar todos os seus membros.

 

Seria importante que, olhando para Jesus, se meditasse bem na forma como Ele Se relacionava com as pessoas.

 

Daí a necessidade de se prestar mais atenção aos estudos de exegese.

 

Não podemos capturar Jesus nos nossos arquétipos institucionais. Jesus é o critério para nós. Não somos nós o critério para Jesus.

 

A Igreja não é um mero sistema cristocrático, como se Jesus Cristo fosse o inspirador de um determinado modelo de poder.

 

A preocupação de Jesus foi sempre, respeitando o poder constituído, estar ao lado das pessoas. Nunca alimentou pretensões de poder.

 

No momento supremo, teve até o cuidado de sublinhar que o Seu Reino não era deste mundo (cf. Jo 18, 16).

 

Como Jesus foi a transparência do Pai, a Igreja só ganha se procurar ser a transparência de Jesus. Na doutrina, sem dúvida. Mas também na prática. Na opção pelos pobres. No despojamento. Na simplicidade.

publicado por Theosfera às 21:10

De António a 8 de Março de 2011 às 15:15
Este seu texto, estimado Padre João António, é uma belíssima Lição de Cristianismo.Bem haja.Abraço amigo...

De Theosfera a 8 de Março de 2011 às 16:08
Muito obrigado, Bom Amigo. Abraço grande no Senhor Jesus.

De Rafael Reis a 21 de Novembro de 2015 às 16:55
Olá padre,

A sua bênção!

Estou iniciando com o objetivo de identificar em que momento histórico a Igreja passou a utilizar (ou ser conivente) com o uso da força para impôr a Fé Cristã.

Já pude identificar que isto ocorreu no século IV, porém, ainda não consegui verificar com clareza quais os fatos e as motivações que levaram a Igreja a lançar mão deste recurso.

Peço ao senhor que me indique trabalhos que pesquisaram este tema.

Grato,
Rafael dos Reis

De Theosfera a 21 de Novembro de 2015 às 19:32
Boa tarde. Saúde e paz no Senhor Jesus. É verdade o que diz. A grande viragem foi no século IV. Até então a Igreja foi pacífica e pacifista. A instrumentalização da fé pela força política, com Constantino e depois com Teodósio, marca a viragem. O princípio «a religião do rei é a religião do povo» ditou a perseguição a quem era diferente. Qualquer enciclopédia ou manual de história da Igreja o ajudará nas pesquisas. Deus o abençoe. Muita paz no Senhor Jesus.


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
19

20



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro