O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

Ainda a viver a euforia da libertação, o Egipto está a passar pelo risco de um novo cativeiro. De um duplo cativeiro, aliás.

 

A revolução egípcia, com efeito, está a ser cativada, na hora que passa, pela questão do poder e pela questão da interpretação.

 

Tudo previsível, diga-se.

 

Afastado Mubarak, o país e o mundo querem saber quem manda. Devia ser quem serve, mas o poder como serviço ainda está longe em toda a parte.

 

Já houve quem notasse que, nesta epopeia, ainda não emergiu um líder incontestado.

 

ElBaradei tem sido, argutamente, modesto e a Irmandade Muçulmana procura (deliberadamente?) exorcizar qualquer protagonismo liderante.

 

Isto até pode ser positivo. É sinal de que a situação não está resolvida e de que o futuro permanece em aberto.

 

A transição será um teste fundamental. Há alguma impaciência. O presidente saiu, mas a estrutura permanece.

 

De certa forma, é compreensível. Mas há quem anele por mais celeridade. A constituição foi suspensa, o parlamento foi dissolvido e o processo eleitoral parece garantido.

 

Hoje, houve indicadores preocupantes com a troca de tiros entre o exército e a polícia. Esperamos que não haja continuidade e que a normalidade seja restabelecida.

 

Alguém tem de assegurar a transição e, em princípio, o exército parece gozar de boa reputação entre o povo.

 

Mas não é só do poder que se querem apropriar. É também da interpretação dos factos.

 

As reacções de regozijo envolvem sectores ideologicamente contrários. Tão contentes parecem estar os Estados Unidos como o Irão.

 

Os acontecimentos aparentam estar a ser capturados por alguns preconceitos, esquecendo que algo novo terá emergido.

 

Não falta quem esteja à espera (uns com entusiasmo, outros com receio) de uma revolução islâmica do género da do Irão de 1979.

 

Sendo um país onde o Islão é dominante, muitos estavam à espera de um maior radicalismo.

 

É preciso dizer que o Islão está longe de ser um fenómeno uniforme e que, na sua génese, propugna a sã convivência.

 

Basta ler os textos e olhar para vários períodos do passado. A forma, por exemplo, como respeitaram os cristãos ao chegarem e Jerusalém é elucidativa.

 

Tudo isto só mostra que a história não é um sistema fechado. Ela está em aberto. E nem sempre as surpresas são más.

 

Tentemos calar os preconceitos. Não consintamos que eles capturem a realidade.

 

Deixemos falar os factos. Depois, falemos nós.

 

 

publicado por Theosfera às 23:55

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro