O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

1. Parece que é na África que se encontra o nosso berço. E tudo indica que é na África que estamos a reencontrar o nosso destino.

 

Haverá, no que se está a passar sobretudo na Tunísia e no Egipto, muito de incerto, de perigoso e até de temerário. Mas reconheçamos que, em tudo o que os nossos olhares avistam, há também muito de belo, de heróico, de comovente e de puro.

 

Até há poucos dias, seríamos levados a pensar que já não se faziam revoluções assim.

 

E eis que, de repente, nos sentimos revisitados pelas imagens (imperecíveis) da Checoslováquia de 1968, da Praça de Tianamnen e da queda do Muro de Berlim.

 

É claro que nenhum êxito está assegurado à partida. O Muro caiu. Mas, antes da queda do Muro, a revolta de Praga foi esmagada e muitos manifestantes de Tianamnen foram mortos.

 

 

2. Pensávamos, entretanto, nomeadamente neste ocidente adormecido, que tudo isto estaria arrumado nos anais da história e nos baús das recordações.

 

Desde a década de 90, deixámos de nos manifestar por ideais. Apenas nos mobilizamos por interesses.

 

E, mesmo aqui, é por interesses pessoais ou de grupo que saímos para a rua. Daí que as manifestações nos coloquem não tanto ao lado uns dos outros, mas uns contra os outros.

 

Habitualmente, só nos manifestamos quando as nossas coisas estão em risco. Porque é que não nos manifestamos pelos outros?

 

Olhemos para a Tunísia e para o Egipto. As imagens de violência deixam-nos, certamente, destroçados, mas há uma lição que avulta.

 

 Aquele povo levantou-se, praticamente em uníssono. É caso para dizer que, ali, se cumpre ainda a máxima do um por todos e todos por um.

 

 

3. Vamos, por isso, notando que há qualquer coisa que fomos perdendo na Europa e que estamos a reencontrar, agora, na África.

 

Na Tunísia e no Egipto, é todo um povo que se levanta, é toda uma voz que se ergue e é toda uma onda que se cria em torno de um desígnio comum: recuperar a liberdade, pôr fim à opressão.

 

Afinal, ainda há quem lute por ideais, quem não se subjugue à ordem instituída.

 

Ainda há quem, por uma causa, esteja disposto a sacrificar não apenas o descanso, não apenas o lugar, mas a própria vida.

 

O gesto de Mohamed ElBaradei é bastante raro. Quantos arriscariam uma reconfortante carreira diplomática, aureolada com um Prémio Nobel, para desafiar um poder impiedoso?

 

Mas a reacção quase unânime à atitude de Mohamed Boauzizi é simplesmente espantosa.

 

Este jovem tunisino, que ganhava o sustento para a família, era constantemente incomodado e agredido pelas autoridades. A certa altura, não aguentou e imolou-se com gasolina.

 

A sua morte desencadeou uma vaga de estremecimento e de revolta incontida. Muitas pessoas se juntaram na sua cidade. Outras vieram de muitas cidades. Até que praticamente todo o povo se congregou.

 

 

4. Ninguém pode antecipar o futuro. Às vezes, as revoluções degeneram em amargas desilusões.

 

Tudo pode até ficar pior. Mas nada continuará igual. E só por isso já terá valido a pena sair, gritar, chorar, persistir.

 

É com esta África que podemos aprender. A Europa foi perdendo o rumo da vida, a bússola do sentido, o horizonte da esperança.

 

Uma depressão endémica abateu-se sobre o ocidente. Só nos levantamos quando um direito é perdido, quando um hábito é alterado.

 

 É por isso que há qualquer coisa de épico na porfia que o povo tunisino e egípcio está a manter pela sua dignidade.

 

Já há mártires e a vida humana é demasiado preciosa para que um só ser humano seja imolado. Como sempre, a esperança está a ser regada com sangue.

 

Por aqui, continuamos atomizados, deslaçados. Sobram aspirações corporativas. Falta um desígnio nacional, um rumo colectivo, um sentido comum.

 

Ainda estaremos a tempo de nos reencontrarmos como povo, como comunidade, como família?

publicado por Theosfera às 11:51

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro