O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011

Nunca foi fácil a vida para quem sonhou, para quem nunca desistiu dos seus sonhos.

 

O primeiro sonhador (José do Egipto) foi vendido.

 

O maior sonhador (Jesus Cristo) foi morto.

 

O mais conhecido sonhador dos últimos tempos (Luther King) acabou assassinado.

 

Não falta, por isso, quem desista ou quem ceda à corrente dominante.

 

Muito interessante se torna, neste contexto, um livro como o de Augusto Cury e que tem por título Nunca desista dos seus sonhos.

 

São, de facto, os sonhos «que alimentam a vida» e «regam a existência com sentido».

 

Pode ser que nunca os sonhos se realizem. Mas o fundamental é que nunca deixem de ser semeados, de ser sonhados.

 

A eternidade (mais que o futuro) é dos que sonham. Mesmo que não colham os frutos, o importante é a semente que deixam.

 

O poeta teve razão quando defendeu que «é o sonho que comanda a vida».

 

Precisamos de sonhadores. Precisamos que não cortem os sonhos.

 

Cortar um sonho é, pura e simplesmente, assassinar uma alma.

 

Vale a pena arriscar por causa dos sonhos.

 

Augusto Cury adverte que «os jovens têm muitos desejos e poucos sonhos. Os desejos não resistem às dificuldades. Os sonhos são projectos de vida, sobrevivem ao caos».

 

Mas a culpa não é dos jovens. Somos nós, adultos, que «criámos uma estufa intelectual que lhes destruiu a capacidade de sonhar. Eles estão a adoecer colectivamente: são agressivos, mas introvertidos; querem muito, mas satisfazem-se pouco».

 

O risco que o sonho transporta vale a pena ser corrido. Os sonhos são vitamínicos, regeneradores, tonificantes. «Os sonhos fazem os tímidos terem rompantes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades».

 

Nada se perde com o sonho, a não ser, talvez, o sossego. Sonhar é desassossegar.

 

São eles, os sonhos, que «oxigenam a inteligência e irrigam a vida de prazer e sentido».

 

Não desistamos de sonhar.

publicado por Theosfera às 11:03

De António a 26 de Janeiro de 2011 às 14:04
" Os jovens têm muitos desejos e poucos sonhos" ?

As generalizações também abrangem muitos jovens com sonhos.É certo que, nos tempos que correm, se nota uma atmosfera acomodatícia,uma certa paz podre nas convém termos sempre presente a profética frase de Brecht :" do rio que tudo arrasta dizem que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem..."

De Theosfera a 26 de Janeiro de 2011 às 22:16
Obrigado, bom Amigo, por mais este notável contributo. As generalizações são sempre preocupantes, embora reconheça alguma pertinência ao livro de Augusto Cury. Muita paz no Senhor. Abraço amigo.


mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro