O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 24 de Dezembro de 2010
1. Dizer que o Natal é uma portentosa lição de humanidade pode soar a trivialidade. Não é por isso, porém, que deixa de ser uma grande verdade.
 
O Natal mostra-nos que Deus aparece no Homem, que Deus também assume forma humana. Aparece não a partir do topo, mas a partir da base. Aparece não como rei poderoso, mas como criança indefesa.
 
Eis um dos principais motivos do ateísmo: porque uns se recusam a fazer o movimento de Deus até ao Homem, não falta quem se recuse a percorrer o caminho do Homem até Deus.
 
A tragédia do nosso tempo é a desumanidade entre os homens. E para esse pecado concorrem não somente os não crentes. Nem os crentes lhe são imunes. Não são capazes de ver Deus no Homem. Não se mostram disponíveis para ver o Homem no Homem. 
 
Às vezes, chego a pensar que muitos de nós, crentes, conseguem a proeza de serem menos humanos que o próprio Deus. Basta olhar para Jesus. Basta olhar para nós. Quem é mais humano?
 
Em Jesus, Deus humaniza-Se. Ele não nos retira humanidade. Pelo contrário, acrescenta-nos humanidade. Faz-Se o que nós somos. E, como adverte Ireneu, oferece-nos a possibilidade de sermos o que Ele é.
 
 
2. Reconduzir, por conseguinte, o Natal a Jesus não nos leva a perder nada. Só nos leva a ganhar, a ganhar-nos.
 
Não tenhamos medo de dizer que o Natal é o nascimento de Jesus. Isso não nos desvia de nós. Jesus é a revelação da humanidade renovada. Ele encarna o humano na sua pureza, na simplicidade, na humildade, no amor, na proximidade, na alegria, na paz.
 
Importante é projectar o espírito do Natal a todo o ano, a toda a vida. Há muita gente que se deprime (ainda) mais pelo Natal. E não é só pela recordação dos familiares e amigos que faleceram. É sobretudo pela certificação de que se fica pela superfície, pela fachada, pela aparência.
 
Damos muita coisa, mas não nos queremos dar a nós. Há pessoas que estão cada vez mais sozinhas, abandonadas. Os pobres estão cada vez mais pobres. As injustiças aumentam. A desesperança dispara.
 
Praticamos alguma caridade nesta altura para massajar o ego e preencher algum currículo. No resto do ano, avulta a atitude de sempre: indiferença.
 
 
3. Dói, de facto, ver tanta hipocrisia e tamanha ligeireza por estes dias. Falta parar. Falta contemplar. Falta olhar. Falta cumprimentar. Falta abraçar.
 
Há um défice espiritual muito entranhado na nossa cultura. É preciso reaprender o que nos chega de Belém e, mais profundamente, do seio de Deus. Crentes ou não crentes, todos os seres humanos são o que estão destinados a ser: imagem de Deus.
 
Porque é tão difícil ver como Deus? Se não conseguimos ver como Deus, peçamos os olhos de Deus. Vejamos com os Seus olhos.
 
O presépio ensina-nos que Ele está em todo o ser humano. Até os que se pensam longe d'Ele ostentam traços da Sua presença.
 
Ao contrário do que ainda se insinua, Deus não é inimigo do Homem nem o travão das suas esperanças. Deus é aliado do Homem. Como sublinhava Ruiz de la Peña, «é paixão pelo humano». Não sufraga acriticamente a ordem social vigente. Antes a questiona e transforma. «Deus faz dos últimos primeiros, dos pequenos grandes, dos pecadores justos e dos que choram bem-aventurados».
 
 
4. O Natal mostra que nos podemos reencantar incessantemente. Deus, quando veio até nós, não foi correr atrás dos poderosos. Mandou dizer aos trabalhadores (no caso, aos pastores) que já Se encontrava no nosso meio.
 
Está disponível para todos, mas não alimenta dúvidas acerca de quem está mais próximo: dos pequenos. Tudo o que for feito a eles é feito a Ele (cf. Mt 25, 40).
 
A Igreja só pode estar onde Cristo esteve, onde Cristo está. Aberta a todos, mas ao lado dos pobres.
 
Há uma nova ordem que se inaugura. Na base não está o poder, está o amor. Não está o mando, está o serviço.
 
Que haja Natal em toda a humanidade. Que nunca deixe de haver humanidade em cada Natal! 
publicado por Theosfera às 00:04

De António a 24 de Dezembro de 2010 às 14:32
Notabilíssimo texto este.Gostei imenso. Santo Natal, estimado Padre João António. Bem haja. Abraço amigo...

De Theosfera a 24 de Dezembro de 2010 às 15:32
Muito obrigado. Santo e feliz Natal. Abraço amigo no Senhor.


mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9


22



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro