O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2010

Uma disputa se perfila, nesta época do ano, entre duas figuras: o Menino Jesus e o Pai Natal.

 

No imaginário dos mais pequenos, nos espaços comerciais e nos órgãos de comunicação, é indesmentível que o Pai Natal está a ganhar terreno.

 

É claro que se trata de uma figura simpática, acolhedora e que não traz mal nenhum. Pelo contrário, até oferece presentes.

 

Mas é aqui, porém, que entra em cena algum capital de problematicidade.

 

Desde logo, é preciso não perder de vista que o Natal, queiramo-lo ou não, assinala o nascimento (natal) de Jesus.

 

Em segundo lugar, verificamos que o paradigma de actuação do Pai Natal é o consumo.

 

As crianças encantam-se com ele porque é aquele que dá, é aquele que traz o que se pede, o que se exige.

 

Ora, o Menino Jesus era muito mais comedido. Os seus presentes eram bastante sóbrios. Mas, quase sempre, surpreendentes.

 

Por outro lado, é uma figura que aponta para valores totalmente distintos. O Menino, com a sua singeleza, incorpora uma cultura da sobriedade, da partilha, do encanto.

 

Nunca é demais insistir neste ponto. Se queremos inculcar valores, precisamos de apontar referências.

 

Haverá, independentemente da opção religiosa de cada um, maior referência ética que Jesus?

 

Não removamos o Pai Natal. Mas, acima de tudo, não eliminemos o Menino Jesus.  

publicado por Theosfera às 10:40

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9


22



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro