O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

Na política, como no resto da vida, não basta ter razão nem chega ter força. É fundamental ter autoridade, credibilidade e também paciência.

 

Um dia, D. Caio caiu. Mas nem ninguém lhe ligou, porque habituara-se a enganar os outros com o grito eu caio!

 

A autoridade conquista-se com o exemplo. Em horas de crise, precisamos mais de caminhos do que de lições.

 

Caminhos todos podemos trilhar. Mas quem pode dar lições?

 

Recordo o que, há cerca de dois decénios, disse um ministro no parlamento: «Aceito conselhos não de quem saiba mais, mas de quem tenha feito melhor»!

 

Mais do que enveredar por uma leitura casuística de quem pode baixar mais os salários e as pensões de reforma, o fundamental é assentar num novo padrão de participação na vida pública.

 

Quem está nos lugares de administração (seja no governo, seja em empresas públicas) deve ser habitado por um espírito de missão. Isto já vem de Platão.

 

Não se pede que se prive de uma vida digna. Mas deve evitar-se um padrão excessivamente acima do comum dos cidadãos.

 

Penso que um indicador poderia ser o salário do presidente da república. Nenhum administrador público devia ter um salário maior.

 

Os melhores (se o forem desde dentro) não se negarão a prestar a sua colaboração. Afinal, os direitos de todos não são deveres para cada um?

 

Sei que estamos longe desta cultura cívica, onde o serviço ainda se encontra bastante obscurecido pelo poder. É por isso que se impõe alguma paciência.

 

Insisto na paciência porque, à partida, parece estar nos antípodas da razão e da força. Quem se acha na posse da razão e com força para a assumir, tende a ter pouca paciência diante dos obstáculos que se erguem.

 

Na imprensa (e, particularmente, na blogosfera) deparamos com textos carregados de razão e cheios de energia, mas que denotam uma tremenda falta de paciência.

 

 O tom é demasiado azedo e a atitude parece excessivamente agreste. Vistas as coisas, ninguém pode contestar o acerto das posições.

 

 É verdade que há coisas que não podem esperar. Mas há que apelar para a paciência. Deus é a referência. Ele tem desígnios que nós não conhecemos e um modo de actuar que não nos cabe decifrar.

 

 Se Ele conseguiu afirmar a vida na morte do próprio Filho (maior impedimento não pode haver), como não conseguirá, hoje, superar as mil e uma oposições que se levantam?

 

 Como referiu o Santo Padre, a paciência de Deus salvará o mundo; só a impaciência do Homem o pode estragar.

publicado por Theosfera às 11:37

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro