O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Sinal preocupante. É manhã. O sol não brilha, mas o dia nasce e o cidadão levanta-se já cansado.

 

Sai a caminho do trabalho e cruza-se com muitos que já nem trabalho têm.

 

Dirige o olhar, abatido, em redor e palpita-lhe que até a esperança migrou. Tenta lobrigá-la no infinito, mas até o céu lhe aparece tingido pelo cinzento.

 

Começa então a dialogar consigo mesmo.

 

Que país é este e que terra é a minha, onde os serviços fecham, onde os empregos minguam, e não sobra uma palavra, não se vislumbra uma denúncia, não se intui uma alternativa nem tão-pouco se enxerga uma mudança?

 

Persistem os lamentos. Em tempos de penúria, acumulamos um único capital. Um enorme capital de queixa.

 

O eco da lamúria invade as ruas e aloja-se nas almas.

 

O presente está tolhido. O futuro parece bloqueado.

 

Nem tudo estará, porém, perdido. Este é o tempo em que as nuvens obscurecem o sol. Virá o tempo em que o sol vencerá a barreira das nuvens.

 

Neste mundo, nada é eterno. Nem sequer a crise.

 

Não desistamos da esperança. Ela pode ter migrado. Mas acabará por voltar.

publicado por Theosfera às 10:37

De António a 11 de Novembro de 2010 às 21:45
Por mim, recuso-me a ver os noticiários da tv. Já chega de crise. Passei para o Canal Memória e tenho-me encantado a ouvir falar de História esse extraordinário comunicador que é José Hermano Saraiva...

De Theosfera a 11 de Novembro de 2010 às 22:25
Como o entendo, bom Amigo. Vou tendo a tv ligada, com o som muito baixo. É preocupante o panorama que nos é mostrado. Ainda agora, está a passar o concurso «Quem quer ser milionário» e é gritante a falta de cultura geral de quadros qualificados. Uma pergunta sobre o extremo ocidental da Europa tinha como hipóteses: Cabo Canaveral, Cabo Verde, Cabo Bojador e Cabo da Roca. Um concorrente disse que não sabia. O outro arriscou à sorte. Por sinal, acertou. Acerca do país cuja independência era assinalada pelo grito do Ipiranga, foi com dificuldade que o concorrente acertou no Brasil. E sobre o presidente que Pinochet tinha derrubado, creio que o concorrente disse que não sabia. É preocupante o panorama que vivemos. Nem economia, nem justiça, nem cultura. Melhores dias virão.
Abraço amigo. Obrigado por tudo.


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro