O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 05 de Novembro de 2010

O jornalista perguntava há dias: alguém se recorda de um grande discurso nos últimos trinta anos?

 

O cronista responde que se recorda apenas de dois e, ainda por cima, feitos pela mesma pessoa.

 

Acrescentava alguém que estava com medo de reler os discursos de Salazar pois temia tornar-se salazarista. Tudo por causa da qualidade supina dos seus discursos.

 

Dizem, aliás, que, à sua cabeceira, figuravam os sermões do Padre António Vieira, um genial manuseador da palavra. E, nessa medida, considerado o imperador da lingua portuguesa.

 

E é aqui que tocamos o punctum saliens do problema.

 

Todos nós transportamos o nosso húmus, a circunstância que nos forma, o ambiente em que crescemos.

 

O ensino, desde há décadas, propõe o conhecimento num plano meramente instrumental. As competências são sobrevalorizadas em detrimento dos conteúdos e da forma.

 

As imagens do parlamento e os textos da comunicação social documentam um empobrecimento crescente na arte de falar e de escrever.

 

O professor, tido como um mestre, já não é visto como alguém que ensina a discorrer. A avaliação, não raramente, consiste em identificar situações ou em escolher possibilidades.

 

A construção do texto, que certifica a elaboração de um pensamento, ressente-se cada vez mais.

 

Nesta itinerância pela estrada do tempo, há que não perder de vista aquilo que vamos perdendo. É ocioso estacionar apenas nos ganhos...

publicado por Theosfera às 10:58

De António a 5 de Novembro de 2010 às 14:59
Após o 25 de Abril, convidaram Agostinho da Silva para orientar um programa de alfabetização e ele respondeu: " como posso fazer isso se as pessoas cultas que conheço são analfabetas ?"Salazar poderia saber organizar palavras e era genial a congeminar enredos calculistas, mas há eruditos que não chegam em sabedoria aos calcanhares de pessoas verdadeiramente cultas, mesmo que sejam analfabetas. De Salazar retenho estas frases ocas e panfletárias, que em nada abonam a sua apregoada superioridade intelectual:

«A Nação é para nós sobretudo uma entidade moral».

"A liberdade diminui à medida que o homem evolui e se torna civilizado"

Salazar também propôs:


«Ensinai aos vossos filhos o trabalho, ensinai às vossas filhas a modéstia, ensinai a todos a virtude da economia. E se não poderdes fazer deles santos, fazei ao menos deles cristãos».

Esta foi, contudo, a lição que Salazar não aprendeu. Entre a hipocrisia sibilina do ditador que ele foi e a grandeza ética de Aristides Sousa Mendes, a quem Salazar tanto Mal fez, foi afinal Sousa Mendes quem morreu só,enterrado com as vestes de franciscano que tanto mereceu...

De Joaquim Camacho a 5 de Novembro de 2010 às 23:32
Grande há-de ter sido esse Homem para tanto se falar dele: bem e mal!
Mas com sorte andaríamos se outro, agora, nesta hora de aperto, aparecesse como ele: honesto, direito, austero, duro quando era preciso.
Curioso que os seus detractores são os seus maiores admiradores e propagandistas (paradoxos da Psicologia...).
Quanto mais "batem" no Homem, mais desejo há de saber quem foi e como foi.
Ora um morto que até depois de morto incomoda e desperta paixões arrebatadíssimas de ódios e de raivas, que explodem como morteiros de pólvora, só pode ter sido um Homem de excepção.
Salazar fez obra, deixou obra! Não foram só palavras, os seus discursos: foram acção.
Verdade, verdadinha, é que nunca mais apareceu ninguém com o seu carisma!

Agora, Portugal está a afundar-se! (Não é novidade!...)
Analfabetismo? No tempo dele, como 'ditador', os miúdos (agora graúdos com cabelos brancos) eram obrigados a ir à escola primária até aos catorze anos. E saíam de lá a saber ler e escrever correctamente, a fazer as quatro operações aritméticas e outras coisas de proveito.
Hoje tudo 'está melhor' com a hipocrisia nacional dos "diplomados analfabetos" (???!!!). Estatisticamente não há analfabetos. Grande progresso! Apenas uma 'pequenina' objecção: os licenciados e até os mestrados que temos agora só têm diplomas: o Saber não é com eles. Nem sabem ler nem escrever e muito menos contas ou outras operações aritméticas. História Pátria, só "em anedotas". Geografia? Mais "anedotas".
Moral, civismo? Cada um "faz a sua moral". E cada um faz o que bem lhe apetece. Antigamente, o 'ditador' mandava, através das Polícias, castigar (e duramente) os criminosos; hoje "é tudo boa gente" e saem em liberdade (sem liberdade ficam as vítimas...)
Etc. Etc....
Esta é a verdade. O resto são cantigas!

De António a 7 de Novembro de 2010 às 13:25
Gosto de enaltecer quem merece e sou incapaz de tecer loas a quem se comporta de forma humanamente deplorável.De Bento XVI não tinha ainda lido nada que me tivesse especialmente cativado. Retenho na memória, como algo extremamente desagradável, um discurso laudatório de Bento XVI àcerca de João Crisóstomo, o qual, como Martinho Lutero, foi apenas mais um que produziu vergonhosas catilinárias contra os judeus. Mas ontem li uma carta encíclica do papa Bento XVI de que muito gostei: " " Spe Salvi". Muito bem escrita, em estilo sereno e com grande erudição. A anos-luz, não apenas do estilo panfletário do sibilino ditador Salazar, mas também dos sermões odiosos de João Crisóstomo e dos escritos mesquinhos de Martinho Lutero. Estes não tinham, nem gabarito humano nem intelectual, para darem qualquer lição de Cristianismo. O enorme Aristides de Sousa Mendes que o diga...

De António a 7 de Novembro de 2010 às 14:28
Em complemento do meu comentário anterior:

Não foi apenas Aristides de Sousa Mendes quem se soube comportar como um verdadeiro cristão e eu acrescentaria como um verdadeiro santo.

Também na Igreja Católica, houve várias individualidades que não trocaram os valores éticos das suas consciências e de homens livres e cristãos pela subjugação ao provincianismo autoritário de Salazar:

D. António Ferreira Gomes foi mais um dos que honrou a livre expressão do pensamento humano.

Mas houve muitos outros sacerdotes que não pactuaram com a indignidade de uma governo despótico e que, por isso, foram perseguidos pela Pide.

Aqui ficam os seus nomes e, no que me respeita, eterna gratidão pelos seus admiráveis exemplos de integridade e coragem:

Padre Abel Varzim, Padre Mário de Oliveira, Padre Joaquim Alves Correia,Padre César Teixeira da Fonte,Padre Manuel Rocha,Padre Adriano Botelho,Padre João Perestrelo de Vasconcelos ,Padre António Jorge Martins,Padre José da Costa Pio, Padre José Narino de Campos, Padre Joaquim Pinto de Andrade, Padre Franklin da Costa, Padre Alexandre Nascimento, Padre Manuel Joaquim das Neves, Padres Vicente Rafael, Domingos, Alfredo Gaspar, Martinho Samba e Lino Guimarães, Padre José da Felicidade Alves, Padres Joaquim Teles Sampaio e Fernando Marques Mendes,Padres João Dekker e Adriano, Padre Bartolomeu Recker, Padre Ismael Nabais Gonçalves.


http://entreostextosdamemoria.blogspot.com/2007/07/padres-e-bispos-que-enfrentaram.html




mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro