O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 02 de Novembro de 2010

1. As viagens mais marcantes não são aquelas que nos levam aos mais diferentes lugares. Serão, antes, aquelas que, por dentro, nos conduzem às ideias, aos ideais, às convicções.

 

Antony Flew foi um activo viajante (e um insaciável peregrino) entre Deus e a negação de Deus, entre a negação de Deus e Deus.

 

Curiosamente, não foi a Igreja que o segurou na hora de sair. Não foi também a Igreja que o atraiu no momento de voltar.

 

O regresso de Antony Flew a Deus move-se, segundo o próprio, no mero campo da razão.

 

O seu caso nem sequer pode ser alinhado na tendência que Grace Davie qualifica como «crença sem pertença».

 

Antony Flew atesta que não foi guiado pela fé. A mesma razão que o levara, em jovem, a negar Deus é que o impeliu, praticamente no fim da vida, a reafirmar Deus.

 

 

2. Antony Flew terá sido, porventura, o mais célebre filósofo ateu dos últimos tempos.

 

Nele se inspiram, com efeito, algumas das figuras que, ultimamente, têm corporizado o chamado novo ateísmo.

 

Foi, portanto, com espanto que, pouco antes da sua morte (ocorrida a 8 de Abril deste ano), Antony Flew fez sair um livro com o sugestivo título Deus (não) existe.

 

Aqui explana toda a sua trajectória e aprofunda os motivos da mudança. «Tudo num plano puramente natural, sem qualquer recurso a fenómenos sobrenaturais».

 

Por outras palavras, estamos perante «uma peregrinação da razão e não da fé».

 

 

3. Para ele, não é necessário ser crente para encontrar Deus. Basta seguir o conselho de Sócrates: «Temos de seguir a razão para onde quer que ela nos leve».

 

Flew não abandonou o ateísmo por causa de algum argumento novo. Procurou, simplesmente, estar atento à natureza.

 

Foram as leis da natureza que transportaram Flew para a Inteligência infinita. Foram elas que o tornaram sensível àquilo que os cientistas denominam a Mente de Deus.

 

A ciência coloca-nos três dimensões que, segundo Flew, apontam para Deus.

 

A primeira é o facto de a natureza obedecer a leis. A segunda é a dimensão da vida, de seres inteligentemente organizados, que surgiu da matéria. E a terceira é a própria existência da natureza.

 

 Foi neste quadro que achou que, «na vida, os processos reprodutivos têm origem numa fonte divina».

 

É que, inspirando-se numa frase do filme Música no coração, Flew tem muito claro que «nada vem do nada, nunca tal aconteceu».

 

 

4. O testemunho de Antony Flew remete para outros casos, com desfecho diferente.

 

Que terá motivado, por exemplo, Bertrand Russell a permanecer no ateísmo?

 

Nada melhor do que consultar a filha. Esta palpita que, embora o percurso de Russell se orientasse pelos meandros da razão, o que ele via nos crentes deixava-o completamente inibido.

 

No entanto, ela crê «que toda a sua vida foi uma procura de Deus. Algures, no fundo da mente do meu pai, no âmago do seu coração, nas profundezas da sua alma, havia um espaço vazio que fora um dia preenchido por Deus, e ele nunca encontrou uma outra coisa para pôr nesse lugar».

 

Katharine assume gostar de ter convencido o pai «de que tinha encontrado aquilo que procurava, aquela coisa inefável que ele, durante toda a vida, desejara ardentemente. Mas era inútil».

 

O problema é que Russell «tinha conhecido demasiados cristãos fanáticos, daqueles que tiram a alegria e perseguem os seus opositores. Ele nunca seria capaz de ver a verdade que essa gente escondia».

 

A Igreja, que não interferiu em Antony Flew, terá sido um obstáculo para Bertrand Russell. Subsistiu, entretanto, o vazio.

 

Russell disse um dia: «Nada pode penetrar a solidão de um coração humano, excepto a profunda intensidade daquele género de amor que os mestres religiosos pregaram».

 

No fundo, não será o ateu alguém com uma intensa saudade de Deus?

publicado por Theosfera às 13:42

De António a 2 de Novembro de 2010 às 18:13
Muito grato sou eu estimado Padre João António pelas suas pertinentes e abalizadas considerações.

Há pouco tempo descobri que Charles Darwin se manteve crente, porventura numa perspectiva exclusivamente deísta, afastado da visão específica das religiões reveladas, através desta sua reflexão:


“A razão fala-me da extrema dificuldade, ou mesmo impossibilidade, de conceber este imenso e maravilhoso universo, incluindo o homem e a sua capacidade de olhar para trás, e para longe e para o futuro, como resultado do acaso cego e da necessidade. Quando assim reflicto, sinto-me compelido a pensar numa Primeira Causa possuidora de uma mente inteligente, análoga em certa medida à do homem. Mereço, por isso, ser chamado teísta " (Charles Darwin, The Autobiography Of Charles Darwin, 1809- 1882,organização de Nora Barlow, Londres, Collins, 1958, pp 92- 93 )


Curioso também notar que os ideólogos ateus mais panfletários como Dawkins e Sam Harris ficam calados perante a problemática da consciência:


Dawkins fica embaraçado com a temática da consciência humana e reconhece a sua impotência para a explicar: " Nem Steve Pinker nem eu podemos explicar a consciência subjectiva humana - aquilo a que os humanos chamam qualia". Em " How The Mind Works", Steve pergunta de onde surgiu a consciência e como pode ela ser explicada e foi suficientemente honesto para dizer: " É areia demais para a minha camioneta". Wolpert evita deliberadamente todo o tema da consciência: " tenho evitado propositadamente qualquer discussão sobre a consciência". Georg Wald, esse, asseverou que a mente pré - existe à própria matéria. E Sam Harris sustenta que a consciência é bem mais rudimentar do que os próprios seres vivos.((Sam Harris, The End Of Faith, 2004, pp - 208- 209)

Minha querida mulher ateia é uma etóloga e darwinista convicta e eu também aceito a tese evolucionista das espécies, que julgo totalmente compatível com a existência de Deus. Minha mulher não vê nenhum entrave na abiogênese. Eu vejo, mas apenas no sentido de que a matéria não poderia gerar as primeiras moléculas protobióticas senão com a precedência da consciência à matéria ou a sua inclusão na própria matéria. De onde veio então essa mente inteligente que tem vindo a manifestar-se na evolução das espécies ? Só pode, do meu ponto de vista, ter vindo de Deus. Mas será que Deus actua a cada momento da evolução ? Creio que não. Deus fez a Obra da Sua Criação e, intencionalmente, deixou que fôssemos nós a completá-la.

A palavra-chave, a meu ver, para a compreensão da Vida é só uma: Evolução. Na vertente da evolução das espécies e na vertente espiritual. Só conheço um homem que conseguiu conjugar primorosamente esta dupla simbiose evolutiva: Teilhard de Chardin. Abraço amigo...



De Theosfera a 2 de Novembro de 2010 às 20:19
Muito obrigado, bom Amigo, por todas estas pertinentes considerações. Muito obrigado mesmo.
Abraço amigo.


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro